Abrir menu principal

Liber historiae Francorum é uma crônica anônima do século VIII, tornou-se uma fonte primária para as Crônicas de Fredegar.

As primeiras seções são uma fonte secundária para o início dos francos no tempo de Marcomero, dando um curto breviário de eventos até o momento final dos merovíngios. As seções posteriores da crônica são uma importante fonte primária para a história contemporânea da Dinastia Pipinida na Austrásia antes de se tornarem os famosos "Carolingios".

Richard Gerberding dá razões para localizar o autor anônimo em Soissons,[1] provavelmente no monastério real de Saint-Médard. Liber Historiae Francorum é habitualmente datado de 727, porque de uma referência no final do sexto ano de Teodorico IV.[2]

Desde o início, o livro promete apresentar as origens e os feitos dos reis francos e de seu povo. Ele diz que os francos se originaram com um grupo de refugiados de Tróia que se encontravam na costa norte do Mar Negro e dali fizeram o seu caminho através da planície do Danúbio para a Renânia; nesta parte ele depende muito do bispo e historiador galo-romano Gregório de Tours (morto em 594), cuja história ele resume, ocasionalmente corrige e faz paralelos. Os últimos onze capítulos, 43-53 em edição de Bruno Krusch, apresentam uma conta independente de eventos nas terras francas nos séculos VII e VIII.

O fechamento dos capítulos finais abordam principalmente Carlos Martel.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Bruno Krusch (1888) discounted the credibility of Liber Historiae Francorum
  2. Gerberding, Richard Arthur (1987), The rise of the Carolingians and the Liber historiae Francorum, Oxford: Clarendon Press