Lisboa, o Direito à Cidade

(Redirecionado de Lisboa, o direito à cidade)

Lisboa, o Direito à Cidade (1974) é um documentário português de longa-metragem de Eduardo Geada, um dos primeiros filmes do cinema militante da década de setenta.

Estreou a 21 de Janeiro de 1975 na RTP.


SinopseEditar

«O modo como a estruturação do espaço urbano capitalista reflecte as contradições e os conflitos das classes em luta e a demarcação de uma análise da sociedade urbana, que os poucos depoimentos em off vêm confirmar. Uma das cracterísticas da cidade em que vivemos é a sua distribuição e usos diferenciados: as diversas zonas não possuem formas semelhantes de ocupação nem as mesmas facilidades urbanas, nem populações com idênticas características sócias e económicas» (Cit.: José de Matos-Cruz, O Cais do Olhar, ed. da Cinemateca Portuguesa, pp. 157/158, 1999.

Contrariando o modelo documental de intervenção usual na época, baseado no registo de depoimentos, entrevistas e acontecimentos emblemàticos, o filme de Geada, pelo contràrio, apresenta uma visão politica de conjunto do planeamento urbano de Lisboa, numa perspectiva de recorte històrico e sociològico em que sobressai a premissa do ordenamento da cidade como palco da luta de classes.

Ficha técnicaEditar

  • Argumento – Eduardo Geada
  • Realizador – Eduardo Geada
  • Produção – RTP (Departamento Sócio-Político)
  • Assitente de Produção – José Camacho Costa
  • Exteriores – Lisboa
  • Data de rodagem – Novembro/Dezembro de 1974
  • Série – A Gente que nós somos
  • Texto – Eduardo Geada
  • Assistente de realização – João Lopes
  • Colaboração – Bárbara Lopes
  • Fotografia – Manuel Costa e Silva
  • Assistente de imagem – Francisco Silva
  • Música – Acordeão de Rua
  • Montagem – Eduardo Geada
  • Assistente de montagem – António Louro
  • Formato – 16 mm p/b
  • Género – documentário político (cinema militante)
  • Duração – 84’
  • Estreia – RTP, a 21 de Janeiro de 1975

Ver tambémEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar