Abrir menu principal
Bom Samaritano, uma das mais famosas parábolas de Jesus.
Séc. XVI. Por Jacopo Bassano, atualmente na National Gallery de Londres.

Lucas 10 é o décimo capítulo do Evangelho de Lucas no Novo Testamento da Bíblia. Ele relata o envio dos setenta discípulos por Jesus, a famosa parábola do Bom Samaritano, a visita de Jesus a Maria e Marta, em Betânia[1][2].

Índice

NarrativaEditar

Setenta discípulosEditar

 Ver artigo principal: Setenta discípulos

Lucas começa o capítulo com o relato do envio dos famosos setenta discípulos às cidades da Pereia: «Ide; eu vos envio como cordeiros no meio de lobos. Não leveis bolsa, nem alforge, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho.» (Lucas 10:3-4), também relatado em Mateus 8 (Mateus 8:19-22). Jesus pede que eles desfrutem da hospitalidade das cidades que os receberem bem e que sacudam a poeira de suas sandálias contras as cidades que não. Depois de amaldiçoar Corazim, Betsaida e Cafarnaum por não receberem os discípulos, um ato relatado também em Mateus 11 (Mateus 11:20-24), Jesus profere uma oração de agradecimento pelo sucesso da empreitada dos discípulos:

«Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém sabe quem é o Filho senão o Pai; nem quem é o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. [...] Ditosos os olhos que vêem o que vós vedes. Pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vedes, e não no viram: e ouvir o que ouvis, e não no ouviram.» (Lucas 10:21-24)

Esta oração está também em Mateus 11 (Mateus 11:25-30) e Mateus 13 (Mateus 13:16-17).

Parábola do Bom SamaritanoEditar

 Ver artigo principal: Parábola do Bom Samaritano

Provavelmente uma das parábolas mais conhecidas de Jesus, a história do bom samaritano aparece apenas neste capítulo (Lucas 10:25-37). Jesus conta que um viajante — que pode ou não ter sido um judeu[3] — foi surrado, roubado e largado quase morto numa estrada. Primeiro um sacerdote e depois um levita passam por ele, mas evitam tocá-lo. Finalmente, um samaritano pára e ajuda o homem, apesar do bem conhecido desprezo mútuo entre judeus e samaritanos. Esta história foi contada como resposta à uma pergunta sobre a identidade de quem seria o "vizinho" que, segundo Levítico 19:18, deve ser amado.

Esta descrição claramente positiva de um samaritano certamente chocou seus seguidores[4]. Alguns cristãos, como Santo Agostinho, interpretaram a parábola alegoricamente, com o samaritano sendo uma imagem do próprio Jesus, que salva uma alma pecadora[5]. Outros, porém, descartam essa hipótese como não tendo nenhuma relação com o significado original da parábola[5] e defendem que ela seria uma exposição da doutrina ética de Jesus[6]

 
Jesus na casa de Marta e Maria, o episódio final do capítulo 10.
1600. Por Joos Goemaere, atualmente na Bibliothèque et musée de la Gourmandise, em Engis, na Bélgica.

A influência desta parábola foi muito grande, inspirando pinturas, esculturas, poesias e filmes. O termo "bom samaritano", que significa alguém que ajuda um estranho, deriva dela e muitos hospitais e instituições de caridade foram batizados com o nome de "Bom Samaritano".

Jesus na casa de Maria e MartaEditar

 Ver artigo principal: Jesus na casa de Marta e Maria

O relato prossegue contando que Jesus entrou em uma aldeia e se hospedou na casa de Marta e sua irmã Maria, um local tradicionalmente identificado como sendo Betânia. A primeira, preocupada com o serviço da casa, pede que Jesus mande a irmã ajudá-la, mas ele responde: «Marta, Marta, estás ansiosa e te ocupas com muitas coisas. Entretanto poucas são necessárias, ou antes uma só. Maria escolheu a boa parte, que não lhe será tirada.» (Lucas 10:41-42), reforçando a importância de ouvir a mensagem de Jesus em relação às tarefas mundanas.

TextoEditar

O texto original deste evangelho foi escrito em grego koiné e alguns dos manuscritos antigos que contém este capítulo, dividido em 42 versículos, são:

Ver tambémEditar


Precedido por:
Lucas 9
Capítulos do Novo Testamento
Evangelho de Lucas
Sucedido por:
Lucas 11

Referências

  1. Halley, Henry H. Halley's Bible Handbook: an abbreviated Bible commentary. 23rd edition. Zondervan Publishing House. 1962. (em inglês)
  2. Holman Illustrated Bible Handbook. Holman Bible Publishers, Nashville, Tennessee. 2012. (em inglês)
  3. Joel B. Green, The Gospel of Luke, Eerdmans, 1997, ISBN 0-8028-2315-7, p. 429. (em inglês)
  4. Funk, Robert W., Roy W. Hoover & o Jesus Seminar. The five gospels. HarperSanFrancisco. 1993. "Luke" p. 271-400 (em inglês)
  5. a b Caird, G. B. (1980). The Language and Imagery of the Bible. Duckworth. p. 165. (em inglês)
  6. Sanders, E. P. The historical figure of Jesus. Penguin, 1993. p. 6. (em inglês)

BibliografiaEditar