Ludvík Vaculík

Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo asteróide homônimo, veja 10872 Vaculik.

Ludvík Vaculík (23 de julho de 1926 - 6 de junho de 2015) foi um escritor e jornalista tchecoslovaco.

Ludvík Vaculík
Nome completo Ludvík Vaculík
Nascimento 23 de julho de 1926
Morte 6 de junho de 2015 (88 anos)
Nacionalidade  Chéquia
Ocupação Escritor e jornalista
Página oficial
www.ludvikvaculik.cz/

VidaEditar

Vaculík formou-se como sapateiro na fábrica de calçados Baťa em Zlin de 1942 a 1943, onde continuou a trabalhar até 1946. De 1946 a 1951, ele estudou na Escola de Política e Ciências Sociais de Praga.

Trabalhou como educador em lares de aprendizes, de 1953 a 1957, como editor no departamento de literatura política do órgão partidário Rudé právo,[2] depois como editor de programas para jovens na Rádio Tchecoslovaca. Ele finalmente começou a trabalhar para a revista Literární noviny em 1965. No 4º Congresso da União dos Escritores da Tchecoslováquia, em junho de 1967, ele não se conteve em suas críticas ao desenvolvimento social na Tchecoslováquia.[3] “O discurso de Vaculík chocou os escritores reunidos na sala, embora a maioria tenha partilhado a sua opinião. Ele quebrou todos os tabus que ele e seus colegas observaram até agora para não colocar em risco a liberdade limitada de sua associação e de sua imprensa. Desde fevereiro de 1948, o Partido Comunista da Tchecoslováquia (PCT) não era criticado tão claramente em público”.[4] Em seguida, ele foi expulso do PCT, ao qual pertencia desde 1945.[5]

Na Primavera de Praga, ele emergiu por meio do Manifesto de Palavras de 2000, uma análise pública geral do poder totalitário. Mais tarde, ele foi um dos co-fundadores da “Carta 77”, o grupo tcheco de direitos humanos formado após a Conferência para a Segurança e Cooperação na Europa. Como dissidente, Vaculík foi perseguido e pessoalmente difamado pelas autoridades de segurança do Estado até a queda do Muro de Berlim.

Nos anos 1970 fundou a editora samizdat Edice Petlice (editora atrás das grades), na qual distribuiu por conta própria quase 400 obras de autores proibidos até 1989.

Após a queda do Muro, Vaculík escreveu principalmente seções sobre problemas diários.

BibliografiaEditar

  • Rušný dům, (1963), romance autobiográfico sobre o trabalho do autor como tutor em um colégio interno para meninos.
  • The Axe (1966)[6]
  • The Guinea Pigs (1970)[7]
  • Český snář (The Czech Dreambook) (1980)[8]
  • A Cup of Coffee with My Interrogator: The Prague Chronicles of Ludvík Vaculík (1987)[9]
  • Vaculík, Ludvík. "Duas mil palavras para trabalhadores, fazendeiros, cientistas, artistas e todos." Em From Stalinism to Pluralism: A Documentary History of Eastern Europe since 1945, editado por Gale Stokes, 126-30. Nova York: Oxford University Press, 1996.
  • Vaculík, Ludvík (janeiro de 2018). «On a plane». Harper's Magazine. 336 (2012): 68–69 [10]

Referências

  1. Revista VEJA: Rebelião na Galáxia Vermelha
  2. Slovník české literatury po roce 1945 (Lexikon der tschechischen Literatur nach 1945), tschechisch
  3. Alena Wagnerová: Der skeptische Optimist aus Mähren. Zum Tod des Dissidenten Ludvík Vaculík. In: Neue Zürcher Zeitung, 10. Juni 2015, internationale Ausgabe. S. 49
  4. Reinhard Veser: Der Prager Frühling 1968 (Memento vom 20. outubro 2013 im Internet Archive). Landeszentrale für politische Bildung Thüringen, Erfurt, 2., überarbeitete Auflage 2008, ISBN 978-3-937967-31-8, S. 33.
  5. Viel mehr als 2000 Worte – Zum Tod von Ludvík Vaculík. Radio Praha, 8. Juni 2015.
  6. «The Axe». Consultado em 9 de junho de 2015 
  7. Shaun Randol. «Ludvik Vaculik's "The Guinea Pigs"». Words Without Borders. Consultado em 9 de junho de 2015 
  8. «Český snář». Consultado em 9 de junho de 2015 
  9. Goodman, Walter (27 de agosto de 1987). «BOOKS OF THE TIMES; A CUP OF COFFEE WITH MY INTERROGATOR: The Prague Chronicles of Ludvik Vaculik. Translated by George Theiner. Introduction by Vaclav Havel. 127 pages. Readers International. $14.95.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 18 de julho de 2021 
  10. Appears at the end of «The human factor : how I learned the real meaning of dissent». Memoir. Harper's Magazine. 336 (2012): 63–68. Janeiro de 2018 

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.