Abrir menu principal

Luiz Pacheco Drumond, mais conhecido como Luizinho Drumond (Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 1940), é um empresário brasileiro. Ex-presidente da LIESA, atualmente é o presidente e o presidente de honra (patrono) da escola de samba Imperatriz Leopoldinense.

BiografiaEditar

Luizinho Drumond controlava o Jogo do Bicho, na Zona da Leopoldina do Rio de Janeiro. em 1993 foi considerado culpado pela juíza Denise Frossard pelo seu envolvimento no Jogo do Bicho e por pelo menos 53 mortes, junto com 13 outros banqueiros, tais como: Castor de Andrade, Capitão Guimarães e Anísio Abraão David. sendo condenados a seis anos cada um, a pena máxima para a extorsão[1]. mas em 1996, com um habeas-corpus foi concedido liberdade condicional a Luizinho e outros envolvidos.

Durante o período de 1998 a 2001 exerceu o mandato de presidente da Liesa, sendo nesse período, sua escola de samba, a Imperatriz Leopoldinense, conquistado o inédito tricampeonato (1999, 2000 e 2001) em sua história. em Em 1999, foi acusado do assassinato do banqueiro Abílio Português em 1998, mas no momento de sua prisão, a parecia destinou a enviar uma mensagem aos líderes da máfia envolvida no Carnaval Carioca. A polícia disse Luizinho e sua suposta vítima se enfrentaram em uma disputa territorial sobre o controle do Jogo do Bicho.

Em 19 de novembro de 2011, Luizinho agrediu o então diretor de bateria da Imperatriz (Mestre Marcone) por não concordar dele não ter sido entrevistado a uma emissora, o que fez com que registra-se queixa contra o próprio presidente[2], que após o B.O. feito na polícia, fez a seguinte queixa.

Em 2012, foi acusado pela Operação Dedo de Deus, mas, no entanto, conseguiu mais um habeas-corpus e foi concedido liberdade condicional no mesmo ano, quando era esperado de que não ia se candidatar à presidência da Imperatriz, reelegendo por mais um mandato. Hoje, dia 14/05/2012 surge a informação de que o mestre Marcone foi morto com 20 tiros e o mandante supostamente teria sido o presidente.[4].

Referências

  1. O Globo (13 de abril de 2011). «Contraventores já foram condenados há 14 anos». Consultado em 23 de novembro de 2011 
  2. SRZD-Carnaval (21 de novembro de 2011). «Mestre de bateria da Imperatriz registra queixa contra presidente». 13h23. Consultado em 23 de novembro de 2011 
  3. Rodrigo Coutinho, para o Terminal-Carnavalesco (22 de novembro de 2011). «Luizinho Drummond também prestou queixa e fez exame de corpo delito». 18:03. Consultado em 23 de novembro de 2011 
  4. Rodrigo Coutinho, para o Carnavalesco (19 de abril de 2012). «Luizinho Drummond é reeleito e Belém deve ser enredo da Imperatriz». 22:56. Consultado em 20 de abril de 2012 
  Este artigo sobre carnaval, integrado ao Projeto Carnaval é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Djalma Arruda
Presidentes da LIESA
1998 - 2001
Sucedido por
Capitão Guimarães
Precedido por
Aloysio Soares Braga
Rubens Gonçalves
Wagner Araújo
Presidentes da Imperatriz
1976−1983
1986−1992
2007-
Sucedido por
Rubens Gonçalves
Marcos José Lourenço Drumond
atualmente