Mário Américo

Mário Américo (Monte Santo de Minas, 28 de julho de 1912 - São Paulo, 9 de abril de 1990) foi massagista da seleção brasileira de futebol nas copas de 1950, 54, 58, 62, 66, 70 e 74.

Mário Américo
Mário Américo em 1958.
Nascimento 28 de julho de 1912
Monte Santo de Minas, Minas Gerais
Morte 9 de abril de 1990 (77 anos)
São Paulo, São Paulo
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação Massagista

Uma das histórias que tornou-se folclórica sobre ele aconteceu na final da Copa de 62, no Chile. Mário Américo roubou a bola da grande final. Quando a FIFA lhe obrigou a devolver a pelota, ele entregou uma réplica, trazendo para nosso país a bola original do bicampeonato.[1]

BiografiaEditar

Desembarcou sozinho em São Paulo aos 8 anos de idade. Em clubes, foi massagista de Madureira, Vasco da Gama e Portuguesa.

Em 1976 foi eleito vereador de São Paulo.

Encerrou sua carreira como fisioterapeuta, atendendo em sua clínica no bairro do Imirim.

Faleceu em 1990 aos 77 anos[2].

Ligações externasEditar

Referências

  1. campeoesdofutebol.com.br/ Relembre a história de grandes massagistas brasileiros
  2. Personalidades do Imirim
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.