Música do Irão

A música do Irão abarca música que se produz por artistas iranianos. Além da música tradicional e géneros clássicos, também inclui o pop e estilos internacionais como o jazz, rock e hip hop.

A música iraniana tem influído noutras culturas da Ásia ocidental, na construção de uma grande parte da terminologia musical da vizinha Turquia e das culturas árabes, e chegou à Índia através do Império Mogol do século XVI, cuja corte promoveu novas formas musicais trazendo músicos do Irão.[1]

Música PopEditar

 
Haydeh e Anoushirvan na Televisão Nacional Iraniana, em 1975.

Depois do aparecimento da rádio, sob o reinado da dinastia Qajar, uma forma de música popular formou-se e começou a desenvolver-se no Irão.[2] Mais tarde, a chegada de novas influências ocidentais, tais como o uso da guitarra e outros instrumentos, marcou um ponto de inflexão na música popular do Irão na década de 1950.[3] A música pop iraniana é comummente interpretada por cantores que se acompanham com a elaboração d3r5we+0yb5i9uymhzaos conjuntos, com frequência utilizando uma combinação de instrumentos indígenas e europeus.[1]

A música pop doe Irão é em grande parte promovida através dos meios de comunicação, mas sofreu por algumas décadas a proibição após a Revolução de 1979. Os espectáculos públicos também foram proibidos, mas têm sido ocasionalmente permitidos desde 1990. A música pop das comunidades na diáspora iraniana também tem sido significativa.[1][4]

Música de Jazz e bluesEditar

 
Viguen, "Sultão" do pop e da música jazz do Irão.[3][5][6]

O Jazz introduziu-se na música popular do Irão pelo aparecimento de artistas como Viguen, que foi conhecido como o "Sultão do Jazz" do Irão. Moonlight, a primeira canção de Viguen, foi lançada em 1954, sendo um sucesso instantâneo na rádio e é considerada altamente influente.[3][5][6]

Elementos indígenas do Irão, como as clássicas formas musicais e da poesia, também se incorporaram no jazz iraniano.[7] Rana Farhan, um cantor de jazz e blues, residente em Nova York, combina a poesia persa clássica com a moderna, com o jazz e o blues.[8][9] A sua obra mais conhecida, Drunk With Love (Bêbado de Amor), está baseado num proeminente poema do século XIII do poeta persa Rumi.[8] Artistas de Jazz e blues que trabalharam na sociedade iraniana pós-revolucionária também têm ganhado popularidade.[10][11][12]

A música RockEditar

A música Rock introduziu-se na música popular do Irão na década de 1960, juntamente com o aparecimento de outros géneros musicais de países da Europa Ocidental e da América.[1] Cedo fez-se popular entre a geração mais jovem, especialmente nos clubes nocturnos de Teerão.[13] Após a revolução do Irão, muitos artistas de rock são oficialmente sancionados e têm que depender da internet e da cena indie.[14]

Em 2008, a banda de power metal Angband assinou com a discográfica Pure Steel Records[15] como a primeira banda iraniana de metal a se publicar internacionalmente através de uma agência europeia.[16][17]

No Irão o hip hop surgiu na década do 2000, na capital do país, Teerão.[18] Isto começou com a gravação de mixtapes de artistas independentes influenciados pela cultura hip hop norte-americana, e mais tarde foi combinado com elementos de formas musicais indígenas do Irão.[19][20]

ReferênciasEditar

  1. a b c d IRAN xi. MUSIC. pp. 474–480 
  2. «Pop Music in Iran». Iran Chamber Society 
  3. a b c «Obituary: Vigen Derderian» 
  4. «Rock Rolls Once More in Iran As Hard-Liners Back Pop Revival» 
  5. a b Armbrust, Walter. Mass Mediations: New Approaches to Popular Culture in the Middle East and Beyond. [S.l.: s.n.] p. 70 
  6. a b Saba. «Iranian pop legend dies at 74». BBC News 
  7. «اولین کنسرت جز ایرانیزه شده با سبک تلفیقی بعد از انقلاب در ایران» (em persa) 
  8. a b «Rana Farhan Sings the 'Persian Blues'» 
  9. «Persian Poetry Gets the Blues» 
  10. «Iranian blues and jazz bands find fans in Tehran». Reuters 
  11. «Pallett Releases 'Endless Ending'» 
  12. «Iranians love their klezmer». Public Radio International 
  13. «'اسکورپیو' در آپارات» (em persa) 
  14. «Iran's rock stars and their underground scene». The Guardian 
  15. «Iranian Metal Band ANGBAND Signs With Germany's PURE STEEL RECORDS». Blabbermouth 
  16. «ANGBAND: New Album Release Date, Track Listing Revealed». Blabbermouth 
  17. «ANGBAND - Three New Songs Streaming» 
  18. «Iran's underground hip hop dance scene». France 24 
  19. «پشت دیوار کیه؟ رپ ایرانی؟». Hamshahri (em persa). Consultado em 31 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 
  20. «روزنامه اعتماد ملی 85/6/28 – رپ ایرانی ، صدای اعتراض نیست» [ligação inativa]

BibliografiaEditar

  • Azadehfar Mohammad Reza Azadehfar, M R. 2011. Rhythmic Structure in Iranian Music, Tehran: University of Arts, ISBN 964621892X .
  • During, Jean and Mirabdolbaghi, Zia, "The Art of Persian Music", Mage Pub; 1st edition (Book & CD) June 1, 1991, ISBN 978-0-934211-22-2
  • Nelly Caron and Dariush Safvate, "Iran: Traditions Musicales" (Paris, 1966).
  • Nooshin, Laudan. "The Art of Ornament". 2000. In Broughton, Simon and Ellingham, Mark with McConnachie, James and Duane, Orla (Ed.), World Music, Vol. 1: Africa, Europe and the Middle East, pg 355–362. Rough Guides Ltd, Penguin Books. ISBN 1-85828-636-0 .
  • Nettl, Bruno (1989). Blackfoot Musical Thought: Comparative Perspectives. Ohio: The Kent State University Press. ISBN 0-87338-370-2 .
  • Ameneh Youssefzadeh, "Iran’s Regional Musical Traditions in the Twentieth Century: A Historical Overview." Iranian Studies, volume 38, number 3, September 2005. Metapress.com
  • DVD of TOMBAK / Madjid Khaladj – Coproduction: Le Salon de Musique & Ecole de Tombak | Language: français, anglais, espagnol | 172 minutes | Booklet of 80 pages (French/English.)| EDV 937 CV. CD Infinite Breath / Madjid Khaladj, NAFAS / Bâ Music Records.

Ligações externasEditar