Abrir menu principal

Maio Negro ou maio sangrento (em tailandês: พฤษภา ทมิฬ; LBTR: Phruetsapha Thamin) é um nome comum para o protesto popular ocorrido entre 17 e 20 maio de 1992, em Bangkok, capital da Tailândia, contra o governo do general Suchinda Kraprayoon e a repressão militar sangrenta que se seguiu. Cerca de 200 000 pessoas manifestaram-se no centro de Bangkok, no auge dos protestos. A repressão militar resultou em 52 mortes confirmadas oficialmente, muitos desaparecimentos, centenas de feridos e mais de 3.500 detenções. Muitos dos detidos foram alegadamente torturados.

OrigensEditar

Em 23 de fevereiro de 1991, o Comandante do Exército Suchinda Kraprayoon derrubou o governo de Chatichai Choonhavan. A organização responsável pelo golpe de Estado, o Conselho Nacional de Manutenção da Paz (NPKC), nomeou Anand Panyarachun como primeiro-ministro. O governo interino de Anand promulgou uma nova constituição e programou eleições parlamentares para 22 de março de 1992.

A coalizão do governo se formou e nomeou o general Suchinda como primeiro-ministro, com 55% de apoio parlamentar. Protestos públicos maciços imediatamente seguiram-se. Em 9 de maio, Suchinda respondeu dizendo que iria apoiar uma emenda constitucional tornando os indivíduos que não tinham sido eleitos para o parlamento inelegíveis para o premiership. As tensões se dissiparam, mas a trégua durou pouco.

Protestos popularesEditar

Em 17 de maio de 1992, os dois principais partidos do governo anunciaram que apoiariam a emenda constitucional, que também favorecia cláusulas transitórias que permitiam Suchinda servir como primeiro-ministro para o mandato do Parlamento. Quando se tornou evidente que os partidos do governo não cumpririam o acordo, os planos foram em frente para um ataque no domingo, 17 de maio.[1]

Obviamente preocupados com a grande aglomeração de pessoas, o ministro do Interior ordenou que governadores provinciais evitassem que as pessoas viajassem a Bangkok para participar nas manifestações.[1] Suchinda ameaçou demitir o governador de Bangkok por supostamente apoiar as manifestações anti-governamentais da semana anterior.[2] As estações de rádio foram proibidas de tocar gravações de vários cantores populares que manifestaram o seu apoio às manifestações.[3]

No entanto, as manifestações eram as maiores desde a queda do regime de Thanom em outubro de 1973. Em seu pico, 200.000 pessoas estavam no Sanam Luang, transbordando para as ruas envolventes.[1][4] Por volta das 20:30 horas, Chamlong Srimuang e o Dr. San Hatthirat levaram os manifestantes em uma marcha de dois quilômetros a Casa do Governo, para exigir a renúncia de Suchinda.[5] Ao chegarem à intersecção das avenidas Rachadamnoen e Nok, eles foram interrompidos pela barricada feita pela polícia. Às 23:00 horas, um grupo de manifestantes tentou romper a barricada, mas foram repelidos por canhões de água a partir de quatro caminhões de bombeiros bloqueando o caminho. Os manifestantes, em seguida, tentaram se apoderar de um dos carros de bombeiros, mas foram repelidos pela polícia de choque armados com cassetetes. Os manifestantes responderam com pedras e coquetéis molotov.[1][5] Chamlong usou um alto-falante para incitar os manifestantes a não atacar a polícia, mas suas palavras foram ignoradas. Nesse embate inicial, cerca de 100 manifestantes e 21 policiais ficaram feridos.[1]

À meia-noite, dois carros de bombeiros haviam sido incendiados, e a situação estava fora de controle. Cerca de 700 soldados foram chamados e os combates se espalharam. Às 00:30, Suchinda declarou um estado de emergência , tornando reuniões com mais de dez pessoas ilegais. O governo pediu às pessoas para irem para suas casas. Hospitais da região já estavam recebendo os feridos, incluindo quatro com ferimentos de bala que morreram naquela noite.[1] Chamlong permaneceu nas proximidades do Monumento da Democracia. Às 04:00 horas, os soldados ameaçaram os cerca de 40.000 manifestantes, disparando rifles M16 para o ar. Uma hora e meia depois, eles começaram a disparar novamente. Pela manhã, o exército trouxe mais tropas, e as multidões ficaram maiores em outras partes da cidade.

Logo no início da tarde de 18 de maio, Suchinda acusou publicamente Chamlong de fomentar a violência e defendeu o uso da força pelo governo. Pouco tempo depois, as tropas algemaram e prenderam Chamlong. As multidões, no entanto, não se dispersaram e a violência aumentou. Depois que as tropas do governo asseguraram que a área ao redor da ponte Phan Fa e do Monumento a Democracia estava sob controle, protestos mudaram para as proximidades da Universidade Ramkhamhaeng, no leste da cidade. Na noite de 19 de maio, cerca de 50.000 pessoas se reuniram lá.[1]

Intervenção realEditar

Cedo na manhã de 20 de Maio, a princesa Sirindhorn dirigiu-se ao país na televisão, para pedir o fim da violência. Seu apelo foi retransmitido ao longo do dia. Naquela noite, seu irmão, o príncipe Vajiralongkorn, transmitiu um apelo semelhante.

Finalmente, às 21:30, um programa de televisão do rei Bhumibol Adulyadej, Suchinda e Chamlong foi mostrado, em que o rei exigiu que os dois homens dessem um fim à sua confrontação e trabalhassem em conjunto através de procedimentos parlamentares. Suchinda, em seguida, liberou Chamlong e anunciou uma anistia para os manifestantes. Ele também concordou em apoiar uma emenda exigindo que o primeiro-ministro fosse eleito. Chamlong pediu aos manifestantes para dispersarem-se, o que fizeram. Em 24 de maio de 1992, Suchinda renunciou ao cargo de primeiro-ministro da Tailândia.

Referências

  1. a b c d e f g David Murray. Angels and Devils. [S.l.]: White Orchid Press (1996) 
  2. Bangkok Post, May 17, 1992
  3. The Nation, May 16, 1992
  4. David van Praagh. Thailand's Struggle for Democracy. [S.l.]: Holmes & Meier (1996) 
  5. a b Duncan McCargo. Chamlong Srimuang and the New Thai Politics. [S.l.]: Hurst & Co. (1997)