Abrir menu principal

Martinho Ferreira Matos ou Martinho Ferreira de Mattos (Patamuté, 11 de novembro,[vago]) foi um latifundiário baiano.

BiografiaEditar

Aristocrata rural, com ascendência na Casa da Torre e no senhoril que durante séculos administrou algumas das sesmarias pertencentes aos atuais estados da Bahia e Sergipe. Sua família paterna, foi uma das encarregadas pelo desbravamento dos sertões baiano, para criação de gado e mercado canavieiro, fixando-se nos atuais municípios de Monte Santo, Curaçá, Patamuté, Cícero Dantas, Itapicuru e Rio Real. No recôncavo, possuía numeroso parentesco, dentre eles, o Barão de Villa Viçosa e Santo Amaro da Purificação. Seu pai, Coronel Galdino Ferreira de Mattos[1], possuía uma certa influência politica na época, além de estreito vinculo de amizade com o poderoso Barão de Geremoabo.[2][3][4][5]

Pelo lado materno, descende da família luso-brasileira, Pereira e Mello. Sua mãe, Anna Evangelista Pereira e Mello, era filha do Coronel João Evangelista Pereira e Mello, que foi Juiz de Direito da comarca de Bom Conselho até 1894, quando a cidade foi invadida por "conselheiristas" que, contrários ao casamento civil, além de expulsarem as autoridades locais, torturaram o escrivão de casamentos, acusando-o de usurpar as funções do vigário, sendo citado em "Os Sertões", de Euclides da Cunha[6]. Depois desse episódio, foi transferido para a cidade de Juazeiro, onde fixou-se.

Martinho, juntamente com os seus irmãos, João Ferreira de Mattos e Torquato Ferreira de Mattos, fixaram-se em Bom Conselho, no final do século XIX, por intermédio do então amigo da família, o Barão de Geremoabo. A família possuía latifúndios destinados a criação de gado.

Nos anos 10, adquiriu o Engenho Olhos D’Água, localizado no município de Simão Dias, antiga propriedade do Coronel Nono Zacarias. Nesse período possuiu latifúndios de cana-de-açúcar, comercializando-a em larga escala, inclusive para exportação.

O antigo Engenho Olhos D'Água, hoje denomina-se Fazenda Tamanduá.[7] 

O Engenho Olhos D'ÁguaEditar

No Engenho havia a casa-grande, a capela, os casebres onde residiam os serviçais, a casa de purgar (destinada ao branqueamento do açúcar), os balcões, as fornalhas e as demais moendas. A casa-grande era cercada por um enorme alpendre, em estilo colonial, marcada por sete janelas e uma grande porta de entrada ao centro, que dava acesso ao casarão.

Ataque de Lampião e seu cangaço ao Engenho Olhos D'ÁguaEditar

Em passagem por Simão Dias, os cangaceiros contornaram a ponta da Serra do Cabral e dirigiram-se ao Engenho Olhos D'Água. Ao chegar, o cangaceiro Corisco, pressionou o Coronel Martinho Ferreira Matos, exigindo dois contos de réis. Martinho, jurava não dispor da determinada quantia no momento, oferecendo-lhe algumas das joias da sua esposa como pagamento. Lampião, notando que as filhas de Martinho Ferreira usavam cabelos curtos, mandou Zé Baiano castigar as moças com a famosa palmatória. A mãe, dona Marcolina, correu em socorro das filhas e acabou sendo violentada também.[8]

Lampião, explicou a razão do castigo: -Tou fazeno isso pra dá educação a voceis, já qui seu pai num dá! Muié de cabelo curto é muié ruim![9]

Dona Marcolina Ferreira, encontrava-se convalescente do seu último parto quando fora castigada, o que a deixou sequelada, levando-a a óbito alguns dias depois. O Cel. Martinho Ferreira Matos, homem acostumado ao respeito, foi levado preso junto a mais dois rapazes (o filho do Sr. Fausto Dodô e outro rapaz chamado Marcos Felipe). Ao penetrar na Bahia, uma légua adiante, Lampião mandou soltar os reféns, na Fazenda Cavaco, ao norte de Paripiranga.[9]

Cicinato Ferreira Neto, em sua obra "A Misteriosa Vida de Lampião", citou: "Em Anápolis, os habitantes fugiram todos apavorados ante a iminência de um ataque. Porém, a cidade sergipana escapou, pois a maior preocupação dos cangaceiros era mesmo fugir em direção à Bahia. Porém, antes de atingir o território baiano, o bando cometeu atrocidades no caminho. Segundo escritor sergipano, os cangaceiros fizeram reféns no povoado Tabocas, perto de Simão Dias. O coronel Martinho Ferreira também foi feito refém quando Lampião invadiu o seu engenho Olhos D'Água. Moradores foram surrados e residências saqueadas."[10]

Nesse período, surgiram mais boatos de que Lampião tinha sido morto ou capturado pelas forças revolucionárias de Sergipe. No final de outubro, a revolução capitaneada pela Aliança Liberal, pelos tenentes e pelos partidários de Getúlio Vargas foi vitoriosa e derrubou o governo de Washington Luís, pondo fim ao ciclo da chamada República Velha. No Nordeste, a movimentação de tropas era imensa e, nas capitais, realizavam-se as deposições de dirigentes aliados ao antigo governo. Foi nesse ambiente de efervescência que se espalharam surpreendentes notícias.[11]

Martinho Ferreira Matos, nunca se recuperou da humilhação sofrida.[9] Durante muitos anos, caminhou como um autômato, de um lado para o outro, na calçada da casa-grande do engenho, um sobrado colonial com uma porta central e sete janelas.[12]Com a decadência do comércio canavieiro e sequelado pelos acontecimentos, o coronel migrou para o estado da Bahia com os seus herdeiros, para um dos seus latifúndios, este denominado, Fazenda Garajau.

ReferênciasEditar

  1. «Correio da Bahia : O Correio da Bahia é propriedade de uma Associação (BA) - 1871 a 1878 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 10 de maio de 2019 
  2. www.tycho.iel.unicamp.br http://www.tycho.iel.unicamp.br/cedohs/corpora/CDM/411-GFM-20-09-1903.xml. Consultado em 10 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. www.tycho.iel.unicamp.br http://www.tycho.iel.unicamp.br/cedohs/corpora/CDM/410-GFM-06-09-1903.xml. Consultado em 10 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. www.tycho.iel.unicamp.br http://www.tycho.iel.unicamp.br/cedohs/corpora/CDM/409-GFM-28-08-1898.xml. Consultado em 10 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. www.tycho.iel.unicamp.br http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/corpus/cgi-bin/getversion_edictor.pl. Consultado em 10 de maio de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. https://books.google.com.br/books?id=k2MHPSTfD0UC&lpg=PA825&ots=YznQB387QO&dq=jo%C3%A3o%20evangelista%20pereira%20e%20mello%20juazeiro&hl=pt-BR&pg=PA825#v=onepage&q=jo%C3%A3o%20evangelista%20pereira%20e%20mello%20juazeiro&f=false
  7. O Sertão de Lampião. [S.l.: s.n.]  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  8. Lampião-Capitão Virgulino Ferreira da Silva. [S.l.: s.n.]  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  9. a b c Lampião a Raposa das Caatingas. [S.l.: s.n.]  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  10. Joaquim Góis, p.68-9, 73, 88-92
  11. Cicinato Ferreira Neto. A Misteriosa Vida de Lampiã
  12. «Google Maps». Google Maps. Consultado em 28 de fevereiro de 2016