Massacre do Cuangar

Conflito militar ocorrido em 31 de outubro de 1914, entre tropas do Império Alemão e do Império Português.

O massacre de Cuangar ou batalha de Cuangar foi um confronto travado na manhã de 31 de outubro de 1914 no forte de Cuangar entre as forças portuguesas e alemãs. O forte fica localizado na cidade e município de Cuangar, na província do Cuando-Cubango, em Angola.

HistóriaEditar

Constituída para servir como guarnição militar pelas forças portuguesas no início do século XX, o forte de Cuangar era a sede da Capitania-Mor do Cuamato.

No contexto da Primeira Guerra Mundial, o forte foi atacado por uma força do Império Alemão, durante a Campanha de Cubango-Cunene, parte da Campanha do Sudoeste da África, com metralhadoras pesadas, derrotando a guarnição, no que é conhecido como o "massacre de Cuangar".[1]

O ataque ocorreu na manhã de 31 de outubro de 1914, por uma força de 20 a 30 homens, sob o comando do capitão Wilhelm Lehmann da cavalaria de reserva, comandante militar de Grootfontein, assistida por um grupo de 10 voluntários alemães vindos de Nkurenkuru, homens da polícia nativa e numerosos guerreiros do soba Ananga.

O ataque surpreendeu a guarnição portuguesa, matou dois oficiais (um deles do Capitão-mor do Baixo Cubango, tenente Joaquim Ferreira Durão), um sargento, cinco soldados europeus, alguns nativos e o comerciante Machado Nogueira. O resto da guarnição dispersou-se pela mata até chegar, em poucos dias, ao posto de Caiundo.[2]

Após realizar o saque e pôr fogo em Cuangar, as forças alemãs atacaram as pequenas guarnições portuguesas de Bunja e Sambio, chegando a Dióico.[3]

Referências

  1. MARTINS, Luís Almeida. "500 anos que são 90". in "Angola 1961: o começo da Guerra Colonial". Visão História, nº 12, Junho 2011. p. 23.
  2. A Guerra em Angola in O Portal da História. Consultado em 19 Jul 2011.
  3. A Guerra em Angola, O Portal da História.


  Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.