Meningite de Mollaret

Meningite de Mollaret
Meninges do sistema nervoso central: dura mater, espaço aracnoide e pia mater.
Sinónimos Meningite recorrente benigna
Especialidade infectologia
Classificação e recursos externos
CID-10 G03.2
CID-9 047.9
eMedicine neuro/697
MeSH D008582
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Meningite de Mollaret é uma inflamação recorrente ou crónica das membranas que revestem o cérebro e a medula espinal, denominadas coletivamente meninges. Uma vez que a meningite de Mollaret é uma forma recorrente e benigna (não cancerosa) de meningite asséptica, atualmente é denominada meningite recorrente benigna.[1][2] A condição é assim denominada em homenagem a Pierre Mollaret, neurologista francês que a descreveu pela primeira vez em 1944.[3][4][5]

A doença é rara e caracterizada por episódios crónicos e recorrentes de dor de cabeça, rigidez da nuca, meningismo e febre. O líquido cefalorraquidiano (LCR) apresenta pleocitose com grandes células endoteliais, granulócitos neutrófilos e linfócitos. Os ataques manifestam-se com intervalos sem sintomas que duram semanas a anos e os sintomas resolvem-se de forma espontânea. Muitas pessoas apresentam efeitos secundários entre os ataques, incluindo dores de cabeça crónicas e diárias e efeitos secundários da própria meningite, como perda auditiva e perda visual, dores nos nervos e tremores. Os sintomas podem ser ligeiros ou graves.[2] Embora o herpes simples e a varicela possam causar eritema, as pessoas com Mollaret podem ou não apresentar eritema.[6] O vírus da herpes simples é provavelmente a causa mais comum de meningite de Mollaret.[7]

Referências

  1. Shalabi, M; Whitley, RJ (1 de novembro de 2006). «Recurrent benign lymphocytic meningitis.». Clinical Infectious Diseases. 43 (9): 1194–7. PMID 17029141. doi:10.1086/508281 
  2. a b Raimund Helbok; Gregor Broessner; Bettina Pfausler; Erich Schmutzhard (2009). «Chronic meningitis». J Neurol. 256: 168–175. doi:10.1007/s00415-009-0122-0 
  3. synd/1537 (em inglês) no Who Named It?
  4. Mollaret P (1944). «Méningite endothélio-leucocytaire multirécurrente bénigne. Syndrome nouveau ou maladie nouvelle? (Documents cliniques)». Revue neurologique, Paris. 76: 57–76 
  5. «La méningite endothélio-leukocytaire multi-récurrente bénigne». Rev Neurol (Paris). 76: 57–67. 1944 
  6. Ugo K. Ihekwaba; Goura Kudesia; Michael W. McKendrick (2008). «Clinical Features of Viral Meningitis in Adults: Significant Differences in Cerebrospinal Fluid Findings among Herpes Simplex Virus, Varicella Zoster Virus, and Enterovirus Infections». Clinical Infectious Diseases. 47: 783–9. PMID 18680414. doi:10.1086/591129 
  7. Harrisons Principles of Internal Medicine 19th ed. [S.l.: s.n.] p. 1179. ISBN 9780071802154