A Tonga da Mironga do Kabuletê

(Redirecionado de Mironga)

"A tonga da mironga do kabuletê" é uma canção escrita pelo poeta Vinícius de Moraes e pelo músico Toquinho.

A expressãoEditar

Na composição, os autores informam, que a expressão seria uma espécie de xingamento no idioma nagô. Uma forma de protesto político, afrontar os militares sem que eles tivessem consciência. Na época o Brasil era governado por um regime militar e essa era a oportunidade de protestar sem que os militares compreendessem.[1] Essa supostamente significaria "o pêlo do ânus da mãe" [2].

De acordo com o Novo Dicionário Banto do Brasil, de Nei Lopes, estas palavras significam o seguinte: (1) tonga (do Quicongo), "força, poder"; (2) mironga (do Quimbundo), "mistério, segredo" (Houaiss acrescenta: "feitiço"); (3) cabuletê (de origem incerta), "indivíduo desprezível, vagabundo" (também empregado para designar um pequeno tambor que vai preso em um cabo, usado na percussão brasileira).

  • "Tonga", segundo o Dicionário Aurélio, pode ser uma palavra angolana para "terra a ser lavrada" ou "lavoura". É, ainda samtomensismo depreciativo, a designar descendentes de lusos, ou de serviçais, nascidos nas ilhas.
  • "Mironga" é, em candomblé e na macumba, "feitiço, sortilégio, bruxedo".
  • "Cabuleté", no mesmo léxico, é "indivíduo reles, desprezível, vagabundo".

A despeito do significado literal, a expressão foi escolhida pelo poeta Vinícius de Moraes pela sua sonoridade, sem valor semântico, mas com alto valor sugestivo. É uma inovação linguística que se instalou na cultura popular brasileira.

SucessoEditar

Lançada nos anos 1970 pela dupla, foi um de seus maiores sucessos, cantada ainda pelo sambista Monsueto, sendo, durante aqueles anos, uma expressão de uso bastante popular, à qual não se emprestava nenhum significado particular.

ContextoEditar

Dizem os versos:

Você que ouve e não fala,
Você que olha e não vê,
Eu vou lhe dar uma pala,
Você vai ter que aprender:
A tonga da mironga do kabuletê.

Depois, a canção diz que o ouvinte deve "viver na tonga da mironga", para encerrar mandando-o para a "tonga da mironga"…

CuriosidadesEditar

Na versão de Toquinho sobre a expressão "a tonga da mironga do kabuletê", o compositor alega ter ouvido a expressão, pela primeira vez, quando estava na casa de Vinícius de Moraes em Salvador, na Bahia. A então esposa do poetinha, a baiana Gesse Gessy, havia acabado de chegar do Mercado Modelo, onde a expressão teria sido ouvida pela primeira vez, dita por alguém.

As falas indecifráveis, no início, no meio e no final da versão original da música, são de autoria do sambista Monsueto, que sugerem ser ditas em nagô (Língua iorubá).

Em 2004 a canção foi regravada por Daniela Mercury em Carnaval Eletrônico, seu sétimo álbum de estúdio.

Referências

  1. [1] BORGES, A. E. Vinícius de Moraes: Cultura e História (1930-1970). 2011. 162 f. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás, Goiás. 2011.
  2. [2] BRITO, J. D. Curiosidades: o que significa a "Tonga da Mironga do Cabuletê"?. Disponível em: <www.tirodeletra.com.br/curiosidades/NatongadaMirongadoKaburete.htm>. Acesso em 06 jan 2016.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.