Abrir menu principal

Morte em Veneza (ópera)

Morte em Veneza (em inglês, Death in Venice) é uma ópera em dois atos de Benjamin Britten, a sua última. A ópera é baseada na novela Morte em Veneza, de Thomas Mann. Myfanwy Piper escreveu o libreto em inglês.[1] Foi apresentada pela primeira vez em Snape Maltings, perto de Aldeburgh, Inglaterra, em 16 de junho de 1973.

A austera partitura é marcada por algumas notas assombrosas da "ambígua Veneza". O menino Tadzio é retratado por um silencioso dançarino, com um acompanhamento de percussão de gamelão. A música da ópera é precisa, direta e comoventemente discreta.

História da composiçãoEditar

Britten contemplara a novela por muitos anos e começou a trabalhar em setembro de 1970, se aproximando de Piper e de Golo Mann, filho do autor. Por causa de acordos entre a Warner bros e os direitos de Thomas Mann para a produção do filme de 1971 de Luchino Visconti, Britten foi aconselhado a não ver o a película quando foi lançada.[2] De Acordo com Colin Graham, diretor da primeira produção da ópera, alguns colegas do compositor que viram o filme acharam a relação entre Tadzio e Aschenbach "muito sentimental e sensual". Isso contribuiu para a decisão de que Tadzio e sua família e amigos seriam retratados por dançarinos sem fala na ópera.[3] Ian Bostridge notou, na obra, temas de "formalismo na arte e a perigosa dignidade do artista famoso".[4]

PapéisEditar

Papel Tipo de voz Elenco de estreia (19 de junho de 1973)

(Regente: Steuart Bedford)

Gustav von Aschenbach, um romancista Tenor Peter Pears
Viajante/ Idoso/ Gondoleiro velho/ Gerente do hotel/

Barbeiro do hotel/ Líder dos jogadores/ Voz de Dionísio

Barítono John Shirley-Quirk
A mãe polonesa (Dançarina) Deanne Bergsma
Tadzio, seu filho (Dançarino) Robert Huguenin
Suas duas filhas (Dançarinos) Elisabeth Griffiths e Melanie Phillips
Jaschiu, amigo de Tadzio (Dançarina) Nicolas Kirby
Voz de Apolo Contratenor James Bowman
Porteiro do hotel Tenor Thomas Edmonds
Barqueiro Barítono Michael Bauer
Garçom do hotel Barítono Stuart Harling
Mãe russa Soprano Alexandra Browning
Pai russo Baixo Michael Follis
Mãe alemã Mezzo-soprano Angela Vernon Bates
Vendedor de morangos Soprano Iris Saunders
Um guia Barítono Robert Turner Carpinteiro
Vendedor de cordões Soprano Sheila Marca
Vendedor de jornais Soprano Anne Wilkens
Vidreiro Tenor Stephen James Adams
Jogador Tenor Neville Williams
Jogador Mezzo-soprano Penélope Mackay
Secretário inglês Barítono Pedro Leeming
Governanta Soprano Anne Kenward
Refrão - viajantes, trabalhadores e dançarinos

FilmeEditar

Em 1981, Tony Palmer fez um filme da ópera, filmado em Veneza. O tenor australiano Robert Gard cantou o papel principal, já que Peter Pears estava muito doente, mas outros importantes papéis foram cantados por seus intérpretes originais (John Shirley-Quirk e James Bowman), e a Orquestra de Câmara Inglesa foi regida pelo condutor original Steuart Bedford.[5]

Referências

  1. Her husband John Piper designed the sets.
  2. Strode, Rosamund "A 'Death in Venice chronicle" in Benjamin Britten: Death in Venice.
  3. Graham, Colin "The first production" in Benjamin Britten: Death in Venice.
  4. Ian Bostridge (18 de maio de 2007). «Venetian blind spot». The Guardian. Consultado em 1 de maio de 2008 
  5. Presto Classical: Death in Venice.

Fontes

  • Holden, Amanda (Ed.), The New Penguin Opera Guide, New York: Penguin Putnam, 2001. ISBN 0-14-029312-4
  • Warrack, John and West, Ewan, The Oxford Dictionary of Opera New York: OUP: 1992 ISBN 0-19-869164-5
  • Whittall, Arnold, "Death in Venice" in Stanley Sadie, (Ed.), The New Grove Dictionary of Opera, Vol. One, pp. 1095 - 1096. London: MacMillan Publishers, Inc. 1998 ISBN 0-333-73432-7 ISBN 1-56159-228-5