Abrir menu principal

A morte no judaísmo não tem um conceito fixo. As interpretações dos conceitos metafísicos e dos procedimentos a serem realizados, varia conforme as épocas e as interpretações das diversas correntes judaicas.Também é importante saber que assim como o cristianismo, o judaísmo acredita em vida após a morte em que o ser humano estará nos braços de Deus ou acabará no fogo do inferno por tantos pecados feito em vida. Não há uniformidade quanto a crença e vida após morte, com perspectivas variando desde reencarnação até a mortalidade da alma.

Índice

Recebendo a notícia do falecimentoEditar

No judaísmo rabínico, ao se receber a notícia de um falecimento, a seguinte benção é recitada:

Transliteração: Baruch atá Ado-nai Eloheinu melech ha'olam, dayan ha-emet.

Tradução: Bendito sejas Tu, Senhor, nosso Deus, Rei do Universo, o Verdadeiro Juiz.

Há também o costume de se rasgar uma parte da roupa ao ouvir a notícia do falecimento de um parente próximo.[1] Judeus ortodoxos tem o costume de cortar a lapela do seu terno à esquerda, sobre o coração, enquanto não-ortodoxos podem cortar a gravata ou usar um botão com uma fita preta rasgada.[carece de fontes?]

Chevra KadishaEditar

Chevra Kadisha é o nome dado à sociedade, em geral formada por homens e mulheres voluntários, responsáveis pela preparação do corpo do falecido para o enterro.

FuneralEditar

O corpo é lavado e, dentro do possível, sepultado dentro de 24 horas após a morte. Tradicionalmente usa-se uma mortalha simples, branca, com um caixão sem enfeites ou verniz de madeira comum. O serviço fúnebre consiste na recitação da oração Kaddish em aramaico pelos parentes mais próximos e líderes religiosos.

SepultamentoEditar

O corpo é sepultado em um jazigo simples, com lápide constando nome e símbolos religiosos.

Referências

  1. Rabi Maurice Lamm. «A Maneira Judaica de Morrer». chabad.org.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.