Abrir menu principal
Mapa de Abraham Ortelius de 1624 mostrando a localização dos mossínecos

Os mossínecos foram um povo da antiguidade, habitantes de uma zona montanhosa ao norte da Anatolia na região entre a vertente norte da corrente do Ponto e as cidades de Trapezunte e Giresun.

Características e costumesEditar

Eram peculiares pois viviam sobre árvores ou em altas torres de madeira chamadas mosinas, daí a origem do nome.[1] A mosina mais alta estava ocupada por seu rei. Apolónio de Rodes indica que se o rei se equivocava ao emitir algum julgamento, este era mantido encarcerado e desprovido de alimento naquele dia. Apolônio e Xenofonte também assinalam que seus costumes eram muito diferentes às dos gregos já que o que os gregos realizavam publicamente, eles o realizavam dentro de suas casas ou só, falavam consigo mesmos, riam sozinhos e dançavam como se alguém os visse.[2] Viviam da caça e seu principal alimento eram as castanhas, que eles cozinhavam como pães. Também tinham trigo, colocavam fatias de golfinhos salgados, empregavam a sua gordura e além disso, faziam um vinho doce e aromático. Marcavam seus corpos com tatuagens. Eram de pele branca. Relata-se que, às vezes, eles assaltavam os estranhos pulando sobre eles a partir suas torres.[3]

HistóriaEditar

Apolónio de Rodes diz que em seu território, assim como o dos Tibarenos, passaram os Argonautas em sua viagem a Cólquida em busca do Velo de ouro.[4]

Heródoto os cita entre os povos tributários dos persas. Eles pertenciam a uma demarcação tributária compartilhada com os moscos, macrões, mares e Tibarenos que traziam trezentos talentos[5]. Faziam parte da expedição que Xerxes realizou em 480 a.C. contra a Grécia. Os mossínecos e os macrões estavam sob o comando de Artaictes nesta expedição. Foi dito que eles estavam armados, com os moscos, com capacetes de madeira, escudos e lanças com pontas de ferro curtas.[6]

No 401 a.C., os mossínecos dividiram-se em duas facções que lutavam tendo o objetivo de ocupar a parte mais alta do país. Uma destas facções de mossínecos aliou-se com os gregos da Expedição dos Dez Mil para derrotar o outro. Nesta acção bélica foram com trezentas barcas feitas a cada uma de um sozinho tronco. Estavam armados com escudos de vime recobertos com peles de boi, lanças de seis cotovelos que tinham uma bola de madeira detrás e machados de ferro. Vestiam túnicas curtas e capacetes de couro semelhantes a dos paflagônios com um penacho no meio.[7] Naquela época os cálibes eram súditos dos mossínecos.[8]

Referências

  1. Apolônio de Rodes II,379; Dionisio de Halicarnaso I,26.
  2. Apolônio de Rodes II,1019; Xenofonte, Anábase V,4,34.
  3. Estrabão XII,3,18; Xenofonte V,4,27; Plínio, o Velho VI,11.
  4. Apolônio de Rodes II, 1018.
  5. Heródoto III,94.
  6. Heródoto VII,78.
  7. Xenofonte, Anábase V,4.
  8. Xenofonte, Anábase V,5,1.

BibliografiaEditar