Motim das Maçarocas

O Motim das Maçarocas foi uma revolta ou motim que teve lugar na cidade do Porto, pouco antes de 25 de outubro de 1629[1], e que constituiu a primeira manifestação antifilipina do período de dominação espanhola. .

Tudo se deveu ao facto de para fazer face às despesas resultantes das guerras em que a Espanha se envolvia, tendo como objectivo particular do socorro à Índia portuguesa, o governo sediado em Madrid nessa altura pretendeu taxar com um imposto as chamadas maçarocas, meadas de linho fiado. Ora as fiandeiras revoltadas contra isso revoltaram-se e juntamente com a rapaziada correram à pedrada o secretário Francisco de Lucena, que fora ali encarregado como oficial do fisco de cobrar o novo tributo. Tendo este se refugiado no Mosteiro de São Francisco onde se encontrava aposentado[2].

Terá sido para lá se deslocado depois o corregedor do crime da corte Dr. Gabriel Pereira de Castro para se encarregar de procurar os culpados, tendo sido achados quatro, e acabando por colectar a camara municipal do referido imposto e do seu prejuízo[1].

A acção do romance histórico «A Rua Escura», subintitulado «Tradição Portuense (1628-1629)», escrito por António Coelho Lousada[3], evoca este episódio de sublevação popular[4].

FontesEditar

  • Rodrigues, António Gaspar História de Portugal em datas org. António Gaspar Rodrigues. Lisboa: Círculo de Leitores, 1994

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.