Movimento dos Oficiais Livres

O Movimento dos Oficiais Livres foi uma organização militar do Egipto fundada por Gamal Abdel Nasser junto a Anwar el-Sadat e outros oficiais após a derrota de Egipto na guerra de 1948 com Israel e cujo objetivo era salvar a honra dos exércitos, bem como derrotar o rei Faruk I, cujo governo se assentava com o apoio do Reino Unido.[1]

Os "oficiais livres", em 1953.

História e consequênciasEditar

A primeira organização militar clandestina a se definir como Oficiais Livres (em árabe : الضباط الأحرار , al-Ḍubbāt al-Aḥrār),[2] foi aquela que no Egito[3] em 1952 trouxe um grupo de oficiais das forças armadas, de republicanos e pan-árabes, para se livrar da monarquia do rei Fārūq, o último descendente de Mehmet Ali (Muhammad Ali), que consideravam corrupto e sujeito aos desejos do Reino Unido, que ocupava o país desde 1882.

Os principais expoentes da organização foram o general Muhammad Neghib, de origem núbia, e o coronel Gamāl ʿAbd al-Nāser, que conseguiu realizar o golpe de Estado tomando o poder.[4][5]

Desde então, quase todos os oficiais das Forças Armadas dos diversos países árabes (que possuíam as aptidões tecnológicas, ideológicas e culturais para dar uma profunda mudança nas formas de governo até então expressas, substancialmente condicionadas pela política almejada pelas potências, primeiro colonial e da Europa) eles imitaram o que aconteceu no Egito fascinados pela profunda mudança institucional conseguida sem envolver nenhum derramamento de sangue. Assim aconteceu em 1969 na Líbia com Mu'ammar Gaddafi e no Sudão com Ja'far al-Nimeyri.

No entanto, isso nem sempre aconteceu de forma incruenta, como foi o caso no Iraque onde, em 14 de julho de 1958, o general Abd al-Karīm Qāsim com outros soldados pertencentes à Organização dos Oficiais Patrióticos derrubaram a monarquia Hachemita de Faisal II em sangue. (ainda sob a regência de Abd al-Ilāh), com a morte do jovem governante e seu primeiro-ministro, o pró-britânico Nūrī al-Saʿīd.[5]

Referências

  1. Gelvin, James L. The Modern Middle East: A History. New York: Oxford University Press, 2008.
  2. In esteso, in arabo: حركة الضباط الأحرار المصريين‎, Ḥarakat al-Ḍubbāt al-Aḥrār al-Miṣriyyīn, ossia "Movimento degli ufficiali liberi egiziani".
  3. Attingendo alla prima rete antibritannica «coperta» a favore dell’Asse, e in particolare del sistema libico governato da Italo Balbo: P. J. VATIKIOTIS, Nasser and Its Generation, Croom Helm, London, 1978
  4. Massimo Campanini, Storia dell'Egitto contemporaneo. Dalla rinascita ottocentesca a Mubarak, Roma, Ed. lavoro, 2005
  5. a b Paolo Minganti, L'Egitto moderno, Milano, Sansoni, 1959
  Este artigo sobre o Egito é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.