Mswati III de Essuatíni

Rei de Essuatíni

Mswati III (registrado à nascença como Makhosetive, 19 de abril de 1968) é o atual soberano de Essuatíni (antiga Suazilândia), desde a morte de seu pai, Sobhuza II, em 1982. Suas políticas internas e estilo de vida luxuoso levaram a vários protestos do povo de seu país e críticas da comunidade internacional.[1]

Mswati III
Rei de Essuatíni
Rei Mswati III na foto oficial para a sua recepção por Barack Obama em setembro de 2009
Rei de Essuatíni
Reinado 21 de agosto de 1982
- presente (39 anos e 160 dias)
Rainha Ntfombi
Consorte 15 esposas
Coroação 25 de abril de 1986
Antecessor(a) Sobhuza II
 
Nascimento 19 de abril de 1968 (53 anos)
  Mbabane, Essuatíni
Nome de nascimento Makhosetive
Dinastia Casa de Dlamini
Pai Sobhuza II
Mãe Ntfombi
Título(s) Chefe da Casa de Dlamini
Filho(s) 25 filhos

Ele é irmão da que foi a grande-rainha do povo Zulu, Mantfombi Dlamini, falecida em 2021, e é, portanto, tio do atual rei dos zulus, Misuzulu Zulu.[2]

JuventudeEditar

Foi o sexagésimo sétimo filho do rei Sobhuza II e o único de Ntfombi Tfwala, conhecida como Inkosikati LaTfwala, uma das esposas mais jovens do rei Sobhuza II. Nasceu no Raleigh Fitkin Memorial Hospital, somente quatro horas antes da Suazilândia (atual Essuatíni) alcançar a independência do Reino Unido. Viveu sua infância na Residência Real de Etjeni, perto do Palácio Masundwini. Seu nome de nascimento, Makhosetwe, significa Rei das Nações.

Mswati frequentou a Masundwini Primary School e a Lozitha Palace School. Desenvolveu um grande interesse pela Guarda Real, sendo o primeiro jovem cadete da Umbutfo Swaziland Defence Force (USDF). Empregava seu tempo livre treinando com os soldados nos barracões militares de Masundwini, perto da Residência Real de Etjeni.

RegênciaEditar

Quando seu pai morreu de pneumonia em 1982, o Conselho Real elegeu ao jovem príncipe de 14 anos, Makhosetwe como futuro rei. Durante os seguintes quatro anos, até sua maior idade, duas mulheres de sua família serviram como regentes: a rainha Dzeliwe Shongwe, no período 1982-1983 e sua mãe, a rainha Ntfombi, entre 1983 e 1986, enquanto terminava sua formação em um colégio da Inglaterra, o Sherborne School.[3]

ReinadoEditar

Foi coroado príncipe em setembro de 1983 e rei em 25 de abril de 1986 (aos 18 anos sendo o rei mais jovem de Essuatíni). O rei e sua mãe, cujo título é Ndlovukazi ou Grande Elefanta, governam juntos.[4]

FamíliaEditar

EsposasEditar

 
Inkhosikati La Mbikiza em 2014

Tradicionalmente, o rei de Essuatíni escolhe uma nova esposa periodicamente, após um ritual de dança conhecido como Umhlanga Annual Reed Dance. Em setembro de 2019 ele tinha 15 esposas, incluindo as duas que morreram e as três que deserdaram: Inkhosikati LaMatsebula, Inkhosikati LaMotsa, Inkhosikati LaMbikiza, Inkhosikati LaNgangaza, Inkosikati LaMagwaza (deserdou), Inkhosikati LaHoala (deserdou), Inkhosikati LaMasango (falecida), Inkhosikati LaGija (deserdou), Inkhosikati Magongo, Inkhosikati LaMahlangu, Inkhosikati LaNtentesa, Inkhosikati LaNkambule, Inkhosikati Ladube (falecida), Inkhosikati LaFogiyane e Inkhosikati LaMashwama.[5][6][7]

  • Nothando Dube, também chamada Inkhosikati LaDube: faleceu de câncer em março de 2019. O casal teve duas filhas e um filho. Ela foi a 12ª esposa do rei e, aos 22 anos, foi descoberta tendo um caso com Ndumiso Mamba, o então ministro da Justiça e amigo pessoal de Mswati III.[8] Acabou sendo condenada a prisão domiciliar, depois foi banida da casa real.[9]
  • Nombuso Masango, ou Inkhosikati LaMasango: faleceu em abril de 2018, após cometer suicídio. O casal teve duas filhas[10]

FilhosEditar

O rei tem cerca de 25 filhos, sendo o mais velho, com sua primeira esposa Inkhosikati LaMatsebula, o príncipe Sicalo.[11]

Sua filha mais velha (com sua terceira esposa, Inkhosikati LaMbikiza) é a princesa Sikhanyiso Dlamini, Ministra das Comunicações de Essuatíni.

PolêmicasEditar

Mswati tem sido criticado por seu estilo de vida, especialmente pela mídia, principalmente pela compra de diversos carros de luxos e construção de mansões para suas mulheres e filhos. De acordo com a lista Forbes de 2009, o rei tem uma fortuna estimada em 200 milhões de dólares.[12]

Ele também é acusado de ser conservador demais, tendo, por exemplo, em 2017 se declarado contra o divórcio, além de não ter feito esforços para democratizar o país.[13]

Ele também já foi acusado de sequestrar mulheres com as quais queria se casar.[14]

Em 2018 Mswati decidiu alterar o nome de seu país de Suazilândia para Essuatíni, alegando que era necessário abandonar o nome da era colonial, que havia sido dado pelos britânicos. Além disso, segundo o rei, o antigo nome em inglês (Swaziland) era frequentemente confundido com Switzerland (Suíça).[15]

Em abril de 2020 a imprensa internacional reportou que o rei estaria "gravemente doente" de COVID-19, mas no dia 07 de maio o governo no país, que já havia negado os boatos, divulgou duas fotos de Mswati, uma delas com ele sentado no trono e outra usando uma máscara de proteção.[16]

Protestos de 2021Editar

Em meados de 2021, uma onda de protestos a favor da democracia e contra o governo de Mswati levou milhares de pessoas às ruas. Dezenas de pessoas acabaram morrendo ao entrar em conflito com as forças militares e outras dezenas também ficaram feridas. Para tentar conter as manifestações, proibidas no país, o governo chegou a impor um toque de recolher e a colocar as duas principais cidades do país, Manzini e Mbabane, sob controle militar. A internet também chegou a ser cortada.[17][18][19]

Em outubro de 2021, bispos da Conferência Episcopal da África do Sul (SACBC), num encontro com o Primeiro-Ministro Sipho Cleopas Dlamini, pediram que houvesse "esforços para resolver pacificamente as tensões e criar um ambiente favorável para o desenvolvimento e a promoção da justiça".[20]

CuriosidadesEditar

  • Em 2019, o príncipe Majaha (terceiro filho do rei e primeiro com sua 2ª esposa, Inkhosikati LaMotsa) anunciou seu namoro com Nothando Hlophe, sendo o primeiro dos filhos do rei a apresentar publicamente sua namorada.[21]
  • Também em 2019, o Zambian Observer publicou que o rei havia ordenado a cada homem no país a se casar ao menos duas vezes. No entanto, o porta-voz do governo negou o anúncio e disse que a matéria era "não só um insulto à monarquia e à cultura do país, mas também uma desgraça para o jornalismo".[22]
  • A denominação oficial do rei no território essuatiniano é seguida do epíteto "louvado seja Seu nome", tradição que se mantém desde o reinado de Sobhuza II, seu pai.[carece de fontes?]

Referências

  1. Bearak, Barry. "In Destitute Swaziland, Leader Lives Royally", New York Times, 6 de setembro de 2008.
  2. Sekudu, Bonolo. «Queen regent of the Zulu Nation | All we know about Mantfombi Dlamini Zulu». News24 (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2021 
  3. «Biographie : Sobhuza II du Swaziland - Hommes politiques Swaziland». www.bourse-des-voyages.com. Consultado em 19 de maio de 2021 
  4. «Mswati III | Biografia e fatos». Mswati III | Biografia e fatos. 13 de julho de 2020. Consultado em 19 de maio de 2021 
  5. Nkosi, Sibongakonkhe (19 de setembro de 2017). «New bride, his 14th, for Swazi King Mswati the Third». CityPress (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2019 
  6. «King Mswati's 12th wife dies in SA hospital - reports». News24 (em inglês). 8 de março de 2019. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  7. Mebaley, Annie (28 de agosto de 2014). «Who are the Queens of Swaziland?». This is africa (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2019 
  8. «Rei da Suazilândia descobre que 12ª esposa tem caso com ministro e manda prender os dois». O Globo. 3 de agosto de 2010. Consultado em 19 de maio de 2021 
  9. «Royal wife begs rescue from abuse». The Mail & Guardian (em inglês). 15 de julho de 2011. Consultado em 19 de maio de 2021 
  10. «UPDATE: Royal family announces funeral for King Mswati's queen». Mpumalanga News. 6 de abril de 2018. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  11. «Succession to the Swazi throne». Wikipedia (em inglês). 4 de agosto de 2019 
  12. «Rei da eSwatini gasta R$ 70 milhões em 139 carros de luxo para esposas». noticias.uol.com.br. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  13. Nhlabatsi, Bill Snaddon, Sibusiso. «After Mugabe, could King Mswati be the next strongman to fall?». The M&G Online (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2019 
  14. Rebello, Maleeva (25 de abril de 2018). «Meet King Mswati III of Swaziland, the 50-year-old monarch who has 15 wives and 23 children». The Economic Times 
  15. «Suazilândia muda de nome para ultrapassar herança colonial». www.dn.pt. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  16. «Após rumores de que estaria doente de COVID-19, rei de Essuatíni aparece em público - Wikinotícias» 
  17. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Protestos no Reino de eSwatini deixam vários mortos e feridos, dizem ativistas | DW | 30.06.2021». DW.COM. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  18. «Manifestações contra rei de Essuatíni desestabilizam última monarquia absolutista da África». National Geographic. 3 de agosto de 2021. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  19. Marima, Tendai (16 de julho de 2021). «Pro-Democracy Protests Continue In Eswatini, Africa's Last Absolute Monarchy». NPR (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2021 
  20. «Bispos da SACBC ao Primeiro-Ministro de eSwatini: promover a justiça e a paz - Vatican News». www.vaticannews.va. 14 de outubro de 2021. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  21. «King Mswati's son unveils girlfriend during Reed Dance ceremony». Journal du Cameroun (em francês). 4 de setembro de 2019. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  22. Agency. «eSwatini says fake polygamy story 'insult' to king and country». The M&G Online (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2019