Nazario Benavídez

militar argentino
Nazario Benavídez
Governador de San Juan
Período 26 de fevereiro de 1836
13 de agosto de 1841
Antecessor José Luciano Fernández
Sucessor Mariano Acha
Período 8 de outubro de 1841
29 de maio de 1852
Período 8 de agosto de 1852
4 de janeiro de 1855
Período 18 de março de 1857
abril de 1857
Dados pessoais
Nascimento 28 de julho de 1805
San Juan, Vice-Reino do Rio da Prata
Morte 23 de outubro de 1858 (53 anos)
San Juan, Argentina
Partido Federal
Profissão Militar

Nazario Benavídez (San Juan, 28 de julho de 180523 de outubro de 1858) foi um militar e caudillo argentino, foi também governador da Província de San Juan por quatro períodos destintos.[1] Foi aliado tanto de Juan Manuel de Rosas quanto de Justo José de Urquiza, participou das guerras civis argentinas e nos combates entre os unitarios e os federales. Seu assassinato foi um dos motivos para ocorrer a Batalha de Cepeda, que colocou fim ao período de organização constitucional na Argentina.

MorteEditar

Em 19 de setembro de 1858, Benavídez foi preso por uma acusação de sedição.[2] Na noite de 22/23 de outubro de 1858, um grupo de seus apoiantes invadiu o edifício do conselho onde Benavídez havia sido confinado. Enquanto eles estavam tentando entrar, três membros da guarda foram para a sala onde ele estava preso. Benavídez lutou contra eles apesar dos pesados ​​grilhões de ferro em seus pés e matou um homem, mas uma espada foi empurrada através de seu corpo e ele pegou dois tiros no peito. Ele foi arrastado da cela, quase morto e praticamente nu, e jogado do prédio para a balaustrada da praça, onde um grupo de oficiais o mataram com espadas.[3]

Sarmiento, que tinha sido um inimigo de Benavídez durante sua vida, escreveu sobre ele em 1888 que ele governou com moderação e nenhum sangue foi derramado por seu governo. Ele havia escrito anteriormente que Benavídez tinha uma personalidade legal, e era devido a ele que San Juan tinha sofrido menos do que outros lugares. Ele tinha um bom coração, era tolerante, não era perturbado pela inveja, era paciente e tenaz.[4] O assassinato brutal de Benavídez, atribuído aos oponentes de Urquiza em Buenos Aires, foi um dos fatores que levaram à Batalha de Cepeda em 23 de outubro de 1859, seguido do Pacto de San José de Flores em que Buenos Aires foi trazido de volta Na federação.[5]

Referências

  1. «Nazario Benavídez». Revisionistas. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  2. Archivo del brigadier general Nazario Benavides Tomo V: En tiempos de la Confederación, 1855–1858. [S.l.]: efhha. 2007. p. 81. ISBN 978-950-605-499-1. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  3. «Nazario Benavídez». Revisionistas. Consultado em 8 de novembro de 2012 
  4. Bataller, Juan Carlos (2012). «Benavides – El hombre que más años gobernó San Juan». Bataller fundacion. Consultado em 8 de novembro de 2012. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2012 
  5. Molina, Hebe Beatriz (2011). Como crecen los hongos: La novela argentina entre 1838 y 1872. [S.l.]: Teseo. p. 93. ISBN 978-987-1354-94-8. Consultado em 9 de novembro de 2011 

BibliografiaEditar

  • Cutolo, Vicente, Nuevo diccionario biográfico argentino, 7 volúmenes, Ed. Elche, Bs. As., 1968-1985.
  Este artigo sobre a Argentina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.