Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Nicomedes, veja Nicomedes.
Nicomedes
Nascimento Esparta
Progenitores Pai:Cleômbroto
Irmão(s) Pausânias
Ocupação militar

Nicomedes foi um general de Esparta, filho de Cleômbroto,[1][2] filho de Anaxândrides II.[3]

Seu pai, Cleômbroto, foi regente em nome de Plistarco, seu sobrinho, após a morte de Leônidas I, irmão de Cleômbroto e pai de Plistarco. Analogamente, Nicomedes foi regente de Plistóanex,[1][4] filho de Pausânias,[1] irmão de Nicomedes.

Quando os atenienses estavam construindo as suas grandes muralhas,[1] no terceiro ano da 80a olimpíada,[5] os fócidos atacaram três cidades dórias, Boeum, Cytinum e Erineus,[1][2] que ficavam na base do Monte Parnaso,[2] e capturaram uma delas.[1]

Os lacedemônios, por serem dórios, enviaram uma tropa de mil e quinhentos soldados espartanos e dez mil de seus aliados.[1][2] Os fócios foram forçados a devolver a cidade (ou as cidades) que haviam tomado,[1][4] e fizeram a paz com os dórios,[4] mas, para voltar para Esparta, as tropas teriam que passar por regiões onde poderiam ser atacadas pelos atenienses.[1] Alguns atenienses queriam que as tropas espartanas, localizadas na Beócia, fossem a Atenas derrubar a democracia e as muralhas, mas os Atenas juntou uma tropa de mil e quatrocentos soldados, inclusive aliados argivos, e lutaram contra os espartanos.[1] Segundo Diodoro Sículo, as forças atenienses, com seus aliados de Argos e da Tessália, tinham cinquenta navios e 14.000 homens, e ocuparam os passes próximos do Monte Geraneia.[6]

Os lacedemônios, recebendo informação dos planos atenienses, tomaram a rota através de Tânagra, na Beócia; os atenienses e aliados avançaram até Tânagra e formaram a linha de batalha.[7]

Ocorreu então a batalha de Tânagra, uma vitória lacedemônia, porém com grandes perdas de ambos os lados.[8] Durante a batalha, os tessálios desertaram para o lado lacedemônio, e a batalha só terminou com a chegada da noite, com grandes perdas.[7] Os lacedemônios voltaram através de Mégara, cortando as árvores à frente deles.[8]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Tucídides, História da Guerra do Peloponeso, Livro I, 107
  2. a b c d Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 79.5 [ael/fr][en]
  3. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 3.3.9
  4. a b c Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 79.6 [ael/fr][en]
  5. No ano em que Bion era arconte de Atenas, e Publius Servilius Structus e Lucius Aebutius Albas eram cônsules romanos, de acordo com Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 79.1 [ael/fr][en]
  6. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 80.1 [ael/fr][en]
  7. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 80.2 [ael/fr][en]
  8. a b Tucídides, História da Guerra do Peloponeso, Livro I, 108

Árvore genealógica baseada em Heródoto, Pausânias, Tucídides e Diodoro Sículo:

Anaxândrides II
Leônidas I
Cleômbroto (regente)
Plistarco
Pausânias (general)
Nicomedes
Plistóanex