Abrir menu principal

O Fio da Memória

filme de 1991 dirigido por Eduardo Coutinho


Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O fio da memória
 Brasil
1991 •  cor •  120 min 
Direção Eduardo Coutinho
Produção • Sagres Cinema Televisao e video
• CineFilmes
• Fundacao de Artes do Estado do Rio de Janeiro (FUNARJ)
Narração Milton Gonçalves e Ferreira Gullar
Género documentário
Música Tim Rescala
Distribuição Prefeitura Rio Filme
Idioma português

O fio da memória é um documentário brasileiro de longa metragem, produzido entre 1988 a 1991, dirigido por Eduardo Coutinho.[1] O documentário, dividido em duas partes, aborda a respeito da cultura e identidade dos negros e principalmente sobre a escravidão, em meio ao Centenário da Abolição da Escravatura.

SinopseEditar

Gabriel Joaquim Boa men Vinhateiro, Cabo Frio no Rio de Janeiro. Filho de ex escravos, nasceu quatro anos depois da abolição da escravatura. Trabalhou praticamente a vida inteira em salinas e na roça. Construiu a própria casa (Casa da flor) e tornou-se artista por natureza, recolhendo e reutilizando materiais como lâmpadas, cacos de vidros, pedaços de azulejos e até mesmo resto de lixos, servindo de decoração e criando sua arte. Morreu em 1985, aos 92 anos. Gabriel é o personagem escolhido por Eduardo Coutinho para caracterizar e servir de molde para o enredo do documentário. Relatos gravados e depoimentos escritos em cadernetas servem como registro histórico, geográfico e cultural do país.

O fio da memória inicia com uma breve narração (Milton Gonçalves e Ferreira Gullar) sobre o Brasil colonizado por Portugal e sobre o início do tráfego negreiro e da escravidão. Através de depoimentos, entrevistas e relatos do cotidiano, o documentário é um documento histórico, cultural e revelador do Brasil e da identidade e trajetória dos negros.

ProduçãoEditar

Uma produção de Sagres Cinema Televisão e vídeo, CineFilmes e Fundação de Artes do Estado do Rio de Janeiro (FUNARJ), numa distribuição da Prefeitura Rio Filme e patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro.


Ver tambémEditar

Referências

  1. www.ofuxico.com.br (3 de fevereiro de 2019). «Canal Brasil reúne filmes assinados por Eduardo Coutinho». Consultado em 15 de julho de 2019 

Ligações externasEditar