Abrir menu principal

Mistério das máscaras de chumbo

Miguel José Viana e Manoel Pereira da Cruz

O mistério (ou caso) das máscaras de chumbo é o nome dado aos acontecimentos que levaram à morte de dois técnicos em eletrônica brasileiros: Manoel Pereira da Cruz e Miguel José Viana, cujos corpos, já decompostos, foram encontrados em 20 de agosto de 1966 no Morro do Vintém, perto Niterói.

Sequência dos acontecimentosEditar

DescobertaEditar

Os corpos foram descobertos por Jorge da Costa Alves, um jovem de 18 anos que estava empinando pipa no local. Eles trajavam ternos e capas impermeáveis e não havia sinais de violência neles ou na área próxima. Perto dos cadáveres, a polícia encontrou uma garrafa de água vazia e um pacote com duas toalhas. O que realmente chamou a atenção das pessoas foram as máscaras de chumbo usadas pelos dois homens, o que deu o nome ao incidente. Eram máscaras usadas tipicamente para proteção contra radiação. A polícia achou também um bloco de anotações com símbolos e números (códigos de referência para válvulas eletrônicas) e um bilhete dizendo[1]:

 
O bilhete.
"16:30 Hs. está local determinado.
18:30 Hs. ingerir cápsula após efeito,
proteger metais aguardar sinal máscara."

Da maneira que está escrito, o bilhete é ambíguo, o que torna seu significado aberto a interpretações.

ReconstruçãoEditar

Durante o inquérito, os investigadores reconstituíram uma narrativa plausível dos últimos dias dos dois homens. Em 17 de agosto daquele ano, eles partiram da cidade onde residiam, Campos dos Goytacazes, no interior do estado do Rio de Janeiro, próximo à divisa com o estado do Espírito Santo, tendo dito às respetivas esposas que iam a São Paulo comprar material de trabalho, e também um automóvel.[2]

Tomaram um ônibus e chegaram a Niterói às 14h30. Compraram capas impermeáveis numa lojinha e uma garrafa de água num bar. A garçonete que os atendeu no bar disse que Miguel parecia muito nervoso e olhava para o relógio de pulso constantemente. Do bar, seguiram direto para o local em que foram encontrados mortos depois de muito tempo. Uma testemunha afirma que os homens chegaram ao local da morte num jipe, acompanhados por outros dois homens, que nunca foram encontrados.[2]

Gracinda Barbosa Cortino de Souza e seus filhos, que viviam próximos ao morro onde foram encontrados, contataram a polícia local, alegando terem visto o que descreveram como um OVNI pairando sobre o morro no momento exato em que os investigadores criam que os dois homens morreram.[2]

TeoriasEditar

Nenhum ferimento aparente foi encontrado na necrópsia e não foi possível uma investigação de substâncias tóxicas nos órgãos internos, pois os mesmos já estavam em grau avançado de decomposição.[3] A putrefação também tornou impossível determinar se foram eletrocutados ou não.[2]

Outra hipótese é a de que os dois homens teriam consumido drogas psicoativas com a finalidade de entrar em contato com extraterrestres. Eles teriam utilizado as máscaras para se protegerem dos fortes raios luminosos que poderiam surgir no esperado encontro. Entretanto, ainda dentro dessa teoria, morreram por overdose de drogas. Algumas pistas dão força a essa hipótese: um dos amigos da dupla afirmou que Miguel Viana e Manoel Cruz faziam parte de um grupo "científico-espiritualista"; além disso, publicações que falavam de esoterismo e espíritos foram encontrados nas casas dos homens.[4]

Veja tambémEditar

Referências

  1. Bueno, Omar Carline (21 de fevereiro de 2008). Arquivo Ufo. [S.l.]: Clube de Autores 
  2. a b c d Instituto Nacional de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais (ed.). «Máscaras de Chumbo». Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  3. Segundo um episódio de 2004 do programa de TV Linha Direta: Justiça - Máscaras de Chumbo
  4. Dunning, Brian (21 de janeiro de 2014). «Solving the Lead Masks of Vintem Hill». Skeptoid. Consultado em 6 de junho de 2017 

Ligações externasEditar