Abrir menu principal
Operação Polo
HyderIndKart.jpg
O antigo Estado de Hyderabad, na Índia central.
Data 13–18 de setembro de 1948
Local Estado de Hyderabad (partes do sul e oeste da Índia)
Casus belli Nenhum
Desfecho Vitória indiana decisiva
  • Anexação de Hyderabad à União da Índia
Beligerantes
 Domínio da Índia  Hyderabad
Comandantes
Domínio da Índia Sardar Patel
Domínio da Índia Roy Bucher
Domínio da Índia Joyanto Nath Chaudhuri
Estado de Hyderabad S.A. El Edroos Rendição (militar)
Estado de Hyderabad Qasim Razvi Rendição (militar)
32 mortos[1]
Forças do Estado de Hyderabad: 807 mortos
número desconhecido de feridos
1.647 prisioneiros de guerra[2]
Razakars:
1.373 mortos
1.911 capturados[2]
Comitê Sunderlal: 30.000 – 40.000 civis mortos[3]
observadores responsáveis: 200.000 civis mortos[4]

A anexação do Estado de Hyderabad pela Índia, sob o codinome Operação Polo e apresentada como uma "operação policial"[5], foi uma invasão que ocorreu em setembro de 1948 e foi conduzida pelas Forças Armadas Indianas. Esta operação militar resultou na anexação do Estado de Hyderabad pelo Domínio da Índia.[6]

Na época da Partição, em 1947, os estados principescos da Índia, que em princípio tinham autogoverno em seus próprios territórios, estavam sujeitos a alianças subsidiárias com os britânicos, dando-lhes o controle de suas relações externas. Na Lei de Independência da Índia de 1947, os britânicos abandonaram todas essas alianças, deixando os estados com a opção de optar pela independência total.[carece de fontes?] No entanto, em 1948, quase todos haviam aderido à Índia ou ao Paquistão. Uma grande exceção foi a do principado mais rico e poderoso, Hyderabad, onde o Nizam, Osman Ali Khan, Asif Jah VII, um governante muçulmano que presidia uma população majoritariamente hindu, escolheu a independência e esperava mantê-la com um exército irregular recrutado a partir da aristocracia muçulmana, conhecida como os Razakars.[7]:224 O Nizam também foi obstruído pela Rebelião de Telangana, na qual foi incapaz de subjugar.[7]:224

Em novembro de 1947, Hyderabad assinou um acordo de estagnação com o Domínio da Índia, dando continuidade a todos os acordos anteriores, exceto pelo estacionamento de tropas indianas no estado. No entanto, com a ascensão dos militantes razakars, a Índia considerou necessário estacionar tropas indianas e invadiu o estado em setembro de 1948 para coagir o Nizam. [8] Posteriormente, o Nizam assinou um instrumento de adesão, juntando-se à Índia. [9]

A operação levou a uma violência massiva em linhas comunitárias. O primeiro-ministro indiano, Jawaharlal Nehru, nomeou uma comissão conhecida como Comitê Sunderlal. Seu relatório, que não foi divulgado até 2013, concluiu que "como uma estimativa muito razoável e modesta ... o número total de mortes no estado ... algo entre 30.000 e 40.000." [3] Outros observadores responsáveis estimaram o número de mortes para 200.000 ou mais.[4]

ReferênciasEditar

  1. «Official Indian army website complete Roll of Honor of Indian KIA». Indianarmy.nic.in 
  2. a b Guruswamy, Mohan (Maio de 2008). «There once was a Hyderabad!». Seminar Magazine 
  3. a b Noorani 2014, Appendix 15: Confidential notes attached to the Sunderlal Committee Report, pp. 372-373
  4. a b Smith 1950, p. 46.
  5. «Hyderabad Police Action». Indian Army 
  6. B. Cohen (2007). Kingship and Colonialism in India's Deccan: 1850-1948. [S.l.]: Springer. pp. 159–161. ISBN 978-0-230-60344-8 
  7. a b Barbara D. Metcalf; Thomas R. Metcalf (2006). A Concise History of India 2nd ed. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0521682251 
  8. Sherman, Taylor C. (2007). «The integration of the princely state of Hyderabad and the making of the postcolonial state in India, 1948 – 56» (PDF). Indian Economic & Social History Review. 44 (4): 489–516. doi:10.1177/001946460704400404 
  9. Chandra, Mukherjee & Mukherjee 2008, p. 96.

BibliografiaEditar