Ordem Trapista

uma congregação religiosa católica romana

Ordem dos Cistercienses Reformados de Estrita Observância
 
Ordo Cisterciensium Strictioris Observantiæ


sigla
O.C.S.O.
Imagem: Ordem dos Cistercienses Reformados de Estrita Observância
Monge trapista em oração.
Tipo: Ordem religiosa
Fundador (a): Armand-Jean Le Bouthillier de Rancé
Local e data da fundação: Nôtre-Dame de la Trappe, em 1662
Aprovação: 1892
Superior geral: Dom Eamon Fitzgerald


Atividades: Oração, trabalho, vida litúrgica.
Sede: Viale Africa, 33
Roma, Itália
Site oficial: www.ocso.org
Portal Catolicismo · uso desta caixa

A Ordem Trapista (oficialmente, Ordem dos Cistercienses Reformados de Estrita Observância, ou em latim Ordo Cisterciensium Strictioris Observantiæ, OCSO), é uma congregação religiosa católica derivada da Ordem de Cister.

O seu nome é devido ao mosteiro cisterciense de Nôtre-Dame de la Trappe (no departamento de Soligny-la-Trape), o primeiro a ser reformado, em 1662, por Armand-Jean Le Bouthillier de Rancé, o fundador da Ordem.

Os trapistas são monges beneditinos cenobitas, isto é, vivem em comunidade, o que os difere, por exemplo, dos monges cartuxos, que são eremitas ou anacoretas, isto é, religiosos de vida solitária.

"Trapista" é um "apelido" da "Ordem Cisterciense da Estrita Observância" (existe também os monges da Ordem Cisterciense da Comum Observância). Este apelido nasceu justamente do fato de que seu primeiro mosteiro foi a Abadia de La Trappe, conforme mencionado. Não tem nada a ver com "trapos" ou que seriam monges "esfarrapados", confusão muito comum, um "mito" acerca dos trapistas.

Outro mito a respeito dos trapistas é que eles seriam uma Ordem Religiosa nascida numa suposta crise de papel na Idade Média. O Papa, preocupado, teria organizado um conjunto de religiosos que iriam de "casa em casa recolhendo pedaços de pano para a confecção de papel e livros", sendo que estes monges teriam criado o cargo de monge copista. Os copistas sempre existiram no monaquismo ocidental e nunca foram uma "invenção trapista". Alguns chegam a lançar como prova desta "tese" o romance O Nome da Rosa de Umberto Eco, no qual não figura nenhuma personagem trapista, mas somente beneditinos e franciscanos, e ainda os inquisidores, à época, em sua maioria, dominicanos (inclusive a história narrada no romance se passa muitos anos antes da reforma que deu origem aos trapistas, por De Rancé em 1662).

O Modo de Vida TrapistaEditar

Seguindo a regra de São Bento, a vida dos Trapistas segue o princípio fundamental do ora et labora, vivendo em grande austeridade e silêncio, orientada para a experiência do Deus vivo. Esta "atividade" é chamada de contemplação, isto é, a busca contínua da união com Deus.

O monge busca afastar-se do mundo; as comunidades trapistas são, via de regra, localizadas fora das cidades, vivendo os monges da atividade agrícola.

Os trapistas fazem os três votos religiosos típicos de todas as Ordens e Congregações religiosas católicas: pobreza, castidade e obediência, incluindo mais um, o voto de estabilidade, segundo o qual o monge promete viver no mesmo mosteiro até a morte.

Uma das mais importantes práticas devocionais trapistas é a celebração comunitária do Ofício Divino ou liturgia das horas, no qual os monges recitam e cantam o saltério, como forma sublime de oração comum.

Os mosteiros trapistas também são conhecidos pelos bens de consumo produzidos pelos monges, que vão de pães e queijos a roupas e caixões. Os monges trapistas não são proibidos de consumir bebidas alcoólicas e alguns mosteiros produzem suas próprias marcas de cerveja. Na Bélgica e na Países Baixos alguns mosteiros produzem cerveja tanto para o consumo interno dos monges como para a venda para o público geral. As cervejas trapistas são extremamente famosas entre os apreciadores de cerveja sendo consideradas por alguns críticos como estando entre as melhores do mundo.

Século XXEditar

Em 1909, os Trapistas de Mariannhill foram separados do resto da Ordem Trapista por decreto da Santa Sé para formar a Congregação dos Missionários de Mariannhill.[1]

Um dos teólogos trapistas mais notáveis ​​foi Thomas Merton, autor proeminente na tradição mística e notável poeta e crítico social e literário. Ele entrou na Abadia de Gethsemani em 1941, onde seus escritos e cartas aos líderes mundiais se tornaram algumas das obras espirituais e sociais mais lidas do século XX. As obras amplamente lidas de Merton incluem sua autobiografia, The Seven Storey Mountain, bem como New Seeds of Contemplation e No Man is an Island.

O primeiro santo trapista foi Rafael Arnaiz Barón, oblato conventual da Abadia de San Isidro de Dueñas em Dueñas, Palencia. Sua característica foi sua intensa devoção à vida religiosa e piedade pessoal, apesar dos contratempos de sua doença com diabetes mellitus. Ele morreu em 1938 aos 27 anos de complicações do diabetes, e foi beatificado em 1992 pelo Papa João Paulo II e canonizado em 2009 pelo Papa Bento XVI.

Abade GeralEditar

 
Sébastien Wyart , 1º Abade Geral dos Trapistas entre 1892 e 1904

O abade geral e seu conselho residem em Roma e geralmente são responsáveis ​​pelos assuntos da Ordem.[2] O atual abade geral é Dom Eamon Fitzgerald, da abadia do Monte Melleray, em Waterford , Irlanda.[2] A cada três anos, os abades e abadias de cada ramo se reúnem na Assembléia Geral Mista, presidida pelo Abade Geral, para tomar decisões sobre o bem-estar da Ordem.[2]

  1. 1892–1904: Sébastien Wyart
  2. 1904–1922: Augustin Marre
  3. 1922-1929: Jean-Baptiste Ollitraut de Keryvallan
  4. 1929–1943: Herman-Joseph Smets
  5. 1943-1951: Dominique Nogues
  6. 1951-1963: Gabriel Sortais
  7. 1964-1974: Ignace Gillet
  8. 1974–1990: Ambroise Southey
  9. 1990–2008: Bernardo-Luis-José Oliveira
  10. 2008 atual: Eamon Fitzgerald

Referências

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.