Os Juízes Justos

pintura de Jan van Eyck

Os Juízes Justos é um dos quadros do políptico Retábulo de Ghent, pintado por Jan van Eyck e Hubert van Eyck entre 1430-1432. Acredita-se que a pintura retrata várias figuras importantes para a época, incluindo Filipe III de Borgonha, também conhecido como Filipe, O bom, e possivelmente os próprios artistas da pintura. A pintura foi roubada em 1934 e nunca foi encontrada. [1]

"De rechtvaardige rechters"
Os Juízes Justos
Autor Jan van Eyck e Hubert van Eyck
Data 1430-1432
Género Pintura

O rouboEditar

O painel esteve em exposição na Catedral de São Bavão, em Gante, Bélgica, junto com os outros painéis que compõem o políptico Retábulo de Ghent, até ser roubada durante a noite de 10 de Abril de 1934, possivelmente pelo belga Arsène Goedertier.[2]

Após o roubo, feito com cuidado, não causando danos aos outros painéis, uma nota escrita em francês dizia, "Roubada pelo Tratado de Versalhes", uma referência ao Artigo 247 do Tratado de Versalhes.

Arsène Goedertier, antes de sua morte, declarou ao seu advogado, Georges de Vos, que apenas ele sabia da localização do quadro. A informação sobre a localização estava em um envelope na gaveta. Dentro do envelope, uma carta: " [A placa] está em um lugar onde nem eu, nem mais ninguém, pode retirá-la sem chamar a atenção do público em volta."[3]

O caso ainda está sendo investigado pela polícia belga.[3]

Referências

  1. Charney, (2010), 144
  2. «Art's perfect theft: the 'Ghent Altarpiece'» (em inglês). 19 de Novembro de 2012. Consultado em 15 de Junho de 2018 
  3. a b Charney, Noah (20 de Dezembro de 2013). «The Ghent Altarpiece: the truth about the most stolen artwork of all time» (em inglês). The Guardian. Consultado em 16 de Junho de 2018 

Ligações externasEditar

The theft of the Mystic Lamb (em inglês)

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Os Juízes Justos
  Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.