Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Como todos os animais, inclusive os insetos, as abelhas devem consumir certos nutrientes que são considerados essenciais em sua dieta [1]. O néctar é a fonte de carboidratos e o pólen é a principal fonte proteica. O pão de abelha é o pólen coletado e armazenado pelas abelhas do gênero Apis nos favos. Após armazenado, através da regurgitação de mel ou outras secreções glandulares, o qual ajuda na preservação contra micro-organismos nocivos. Dessa maneira, há uma melhora na digestibilidade do pólen e no seu valor nutritivo [2]. A conversão de pólen para pão de abelha e suas alterações bioquímicas é o resultado de uma ação microbiana, principalmente do ácido láctico e da fermentação provocada por bactérias e leveduras, reduzindo o pH[3] [4]. A origem da planta a qual foi coletado tal pólen influencia o valor nutricional do mesmo[5] [6].

O pão de abelha contém mais açúcares redutores do que o pólen, comparando em uma mesma espécie de planta [7]. Este também é superior ao pólen coletado pelas abelhas quando comparado aos valores de proteína na hemolinfa dessas abelhas alimentadas com estes materiais [8].

Células de um favo com conteúdo de coloração amarela indicando o Pão de abelha.

Referências

  1. KELLER, I (2005). «Pollen nutrition and colony development in honey bees: part I.». Bee World 
  2. HERBERT & SHIMANUKI (1978). «Chemical composition and nutritive value of bee collected and bee stored pollen.». Apidologie 
  3. FOOTE, H. L. (1957). «Possible use of microorganisms in synthetic bee bread production». American Bee Journal 
  4. HAYDAK, M.H. (1958). «Pollen - pollen substitutes - beebread.». American Bee Journal 
  5. GREGORY, P. G. (2006). «Protein diets and their effects on workers weight, longevity, consumption and hemolymph protein levels of Apis mellifera.» (PDF). Proceedings of the American Bee Research Conference 
  6. DE JONG,, D. (2009). «Pollen substitutes increase honey bee hemolymph protein levels as much as or more than does pollen.». Journal of Apicultural Research 
  7. GILLIAM, M. (1979). «Microbiology of pollen and bee bread: the yeasts.». Apidologie 
  8. CREMONEZ, T. M (1998). «Quantification of hemolymph proteins as a fast method for testing protein diets for honey bees (Hymenoptera: Apidae).». Journal of Economic Entomology