Palácio Presidencial de Angola

O Palácio Presidencial de Angola é um edifício histórico do governo de Angola que funciona como local de trabalho do Presidente da República.

Palácio Presidencial de Angola
Palácio Presidencial de Angola
Então presidente angolano José Eduardo dos Santos recepciona sua então homóloga brasileira Dilma Rousseff no Palácio Presidencial de Angola, em 20 de outubro de 2011.
Tipo
Estilo dominante Português neoclássico e arquitetura pombalina
Arquiteto Império português e Governo de Angola
Construção 1607
Estado de conservação Em atividade
Geografia
País Angola
Cidade Luanda,  Angola

História editar

Período colonial editar

Foi construído em 1607/1611, inicialmente para servir a Câmara de Luanda. Entre 1621 e 1630 foi adaptado para funcionar como o Palácio do Governador-Geral, sob a administração colonial de Fernão de Sousa. Em 1761, na época do governo do Marquês de Pombal, o edifício foi quase completamente demolido e reconstruído no estilo pombalino. Manteve-se assim até aos anos 40 do século XX, quando recebeu uma reforma comandada pelo arquiteto Fernando Batalha[1][2]. Foi ampliado, modernizado e unificado com o Palácio Episcopal e a Casa da Junta Real. Data desta remodelação a atual fachada classicizante[3].

Pós-independência editar

Depois da independência de Angola, o palácio que até então tinha sido a sede do governo colonial, passou a ser a residência oficial do Presidente de Angola. Foi classificado e protegido pelo Despacho n.º 24, de 18 de Abril de 1995[4].

Edifício na atualidade editar

Enquadramento editar

O palácio situa-se próximo dos Jardins da Cidade Alta. É ladeado pelo Palácio Episcopal e pela Igreja de Jesus. No Largo do Palácio situa-se ainda o edifício do Ministério da Justiça, imediatamente a norte do conjunto do Colégio do Santíssimo Nome de Jesus e Seminário de Luanda.

Estrutura editar

O palácio possui uma fachada neoclássica, com uma arcada saliente e frontão triangular. O interior inclui várias salas em que se realizam cerimónias oficiais, destacando-se o salão nobre, usado para as tomadas de posse do executivo[5]. Nas traseiras do edifício existe outra arcada com uma escadaria que leva aos jardins, onde se situa uma piscina[6].

Ver também editar

Referências

  1. MARTINS. Arquitecturas de Luanda. Dilazio artes gráficas. 2000
  2. MARTINS. Luanda a cidade e a arquitectura. 2000.353f. Tese de Doutoramento (Arquitectura e Urbanismo). Universidade do Porto, Porto, 2000
  3. Martins, Isabel. «HPIP». www.hpip.org. Património de Influência Portuguesa. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  4. Lourenço, Tiago (2010). «Palácio do Governo de Luanda / Palácio do Governo». Direção-Geral do Património Cultural. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  5. «Composição do novo e "emagrecido" Governo apresentada ao BP do MPLA». Novo Jornal. 17 de novembro de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2018 
  6. «Angola: Presidente da República e sua esposa convivem com crianças». ANGOP. 19 Dezembro de 2015. Consultado em 11 de outubro de 2018