Penglá[2] (em fom: Kpengla) foi o sétimo rei do Daomé [1].

Penglá
Rei do Daomé
Reinado 17741789 [1]
Antecessor(a) Tebessú
Sucessor(a) Agonglô
 

BiografiaEditar

Penglá sucedeu seu irmão Tebessú no trono do Daomé, reinando de 1774 a 1789 [1][3].

Durante seu governo, Penglá matou Abamu, chefe do povo Popó, expandindo os limites do reino até o atual Togo [3]. Ele destruiu as aldeias de Epê e Badagri (na atual Nigéria), por interferirem com o monopólio regional do Daomé no comércio de escravos. Num reinado turbulento, Penglá não resistiu ao ataque dos guerreiros do alafim de Oió, sendo obrigado a aliar-se a ele [1].

Seus símbolos principais são o pássaro Akpan, uma garrucha (arma tilizada pelo exército daomeano durante o seu reinado), e uma Ahosi batendo sua cabeça contra uma árvore (referência a uma piada oriunda de suas campanhas militares).

Penglá foi sucedido por Agonglô.

NotaEditar

Referências

  1. a b c d Daavo, Cossi Zéphrin. "Approche thématique de l'art béninois, de la période royale à nos jours", in Éthiopiques, no 71, 2003
  2. Curado 1888, p. 19-20.
  3. a b Maire, Victor-Louis. "Pengla (1774-1789)" in Dahomey : Abomey, décembre 1893 – Hyères, décembre 1903, A. Cariage, Besançon, 1905, p. 27

BibliografiaEditar

  • Curado, A. D. Cortez da Silva. Dahomé: esbôço, geographico, historico, ethnographico e politico. Lisboa: Tipografia do Comércio de Portugal