Per Ahlmark

Per Ahlmark (Estocolmo, 15 de janeiro de 1939 - Suécia, 8 de junho de 2018) foi um político e escritor sueco. Ele foi o líder do Partido Popular - Os Liberais de 1975 a 1978, e Ministro do Emprego e Vice-Primeiro Ministro do governo sueco de 1976 a 1978. Ele também serviu como membro do parlamento sueco de 1967 a 1978.[1]

Per Ahlmark
Per Ahlmark
Líder do Partido Popular - Os Liberais
Período 7 de novembro de 1975
a 5 de julho de 1978
Antecessor(a) Gunnar Helén
Sucessor(a) Ola Ullsten
Ministro da Imigração
Período 4 de abril de 1976
a 11 de janeiro de 1977
Antecessor(a) Anna-Greta Lejon
Sucessor(a) Ola Ullsten
Ministro do Trabalho
Período 4 de abril de 1976
a 5 de julho de 1978
Antecessor(a) Ingemund Bengtsson
Sucessor(a) Rolf Wirtén
Vice-primeiro-ministro
Período 4 de abril de 1976
a 5 de julho de 1978
Sucessor(a) Ola Ullsten
Dados pessoais
Nascimento 15 de janeiro de 1939
Estocolmo,  Suécia
Morte 8 de junho de 2018 (79 anos)
 Suécia
Partido Partido Popular - Os Liberais
Profissão Escritor

Carreira políticaEditar

Ahlmark juntou-se à Juventude Liberal da Suécia em 1960 e foi eleito presidente da organização no mesmo ano. Ele serviu como presidente da Juventude Liberal até 1962 e como membro da diretoria do Partido do Povo Liberal de 1960 a 1978. Ele foi eleito membro da câmara alta do parlamento sueco de 1967 a 1969 (representando o eleitorado de Örebro County) e como membro da câmara baixa de 1969 a 1970 (representando o distrito eleitoral do Município de Estocolmo). Após a reforma unicameral na Suécia em 1970/1971, Ahlmark serviu como membro do parlamento unicameral até 1978. Ele também atuou como membro do Conselho da Europade 1971 a 1976, e como vice-presidente do Fundo Martin Luther King de 1968 a 1973.[2]

Em 7 de novembro de 1975, Ahlmark sucedeu Gunnar Helén como líder do Partido do Povo Liberal. de 1975 a 1978. De 1976 a 1978, no primeiro governo não socialista na Suécia em quarenta anos, Ahlmark serviu como Ministro do Emprego e Vice-Primeiro Ministro. Em 7 de março de 1978, Ahlmark retirou-se da política partidária por motivos pessoais. De 1978 a 1981 ele atuou como presidente do conselho do Swedish Film Institute.[2]

Escritos e opiniões políticasEditar

Ahlmark publicou vários livros políticos e muitas centenas de artigos sobre política, literatura e conflitos internacionais. Durante a década de 1980 publicou três livros de poesia, um romance e dois livros de ensaios. Ele foi colunista do Expressen, então o maior jornal diário da Escandinávia, de 1961 a 1995.[2] De 1997 a 2018 ele foi colunista do Dagens Nyheter, o maior jornal matinal sueco, e um colaborador do Göteborgs-Posten. Em seus escritos, ele acusa a esquerda política na Suécia de não ser crítica em relação aos regimes comunistas totalitários, especialmente após 1968.[3]

Ele era um forte apoiador do estado de Israel.[4] De 1970 a 1997, ele atuou como vice-presidente da Associação de Amizade Suécia-Israel.[5] Ele co-fundou o Comitê Sueco contra o Antisemitismo em 1983 e atuou como seu vice-presidente até 1995. Em 1997, ele fundou a Associação de Amizade Suécia-Taiwan.[5]

Ahlmark serviu como consultor da Fundação Elie Wiesel para a Humanidade desde 1987 e foi membro do conselho da ONG UN Watch, com sede em Genebra, desde 1993.[2]

Em 1994, Ahlmark publicou o livro amplamente debatido Vänstern och tyranniet ("Tyranny and the Left").] Seu próximo trabalho, Det öppna såret ("The Open Sore"), faz um resumo de novas pesquisas sobre democracia e ditadura, respectivamente, em termos de guerra, genocídio / assassinato em massa e fome. Na Suécia sobre a liberdade e seus inimigos. Seu último livro no mesmo campo foi Det är demokratin, idiota! ("It's the Democracy, Stupid!"), Publicado em 2004.

Ahlmark apoiou a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003 e foi extremamente crítico de Hans Blix (que também é um membro proeminente do Partido do Povo Liberal Sueco e serviu como vice-presidente de Ahlmark na Juventude Liberal da Suécia).[6] Em um artigo no The Washington Times, Ahlmark descreveu Blix como politicamente "fraco e facilmente enganado" e um "covarde".[6]

BibliografiaEditar

  • Ahlmark, Per (1964). Vår fattiga politik. Stockholm: Bonnier 
  • Ahlmark, Per (1965). Den svenska atomvapendebatten. Stockholm: Aldus/Bonnier 
  • Ahlmark, Per; Hammarberg, Thomas; Klein, Ernst (1970). Det hatade Israel. Stockholm: PAN/Norstedt 
  • Ahlmark, Per (1971). Sveket mot kusterna : om supertankers, oljeskydd, Östersjön, Brofjorden och riksplanering. Stockholm: Aldus/Bonnier 
  • Ahlmark, Per (1972). Överleva : dikter. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-045472-9 
  • Ahlmark, Per (1983). Visum : dikter. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-045896-1 
  • Ahlmark, Per; Gustafsson, Lars (1985). Frihet och fruktan : 22 brev. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-046413-9 
  • Ahlmark, Per (1985). Flykter : dikter. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-046717-0 
  • Ahlmark, Per (1989). Zonen : roman. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-047734-6 
  • Ahlmark, Per (1991). Vänsterns moraliska skuld. Stockholm: Timbro. ISBN 91-7566-232-9 
  • Ahlmark, Per; Klein, Georg (1991). Motståndet : arton brev om död och liv. Stockholm: Timbro. ISBN 91-0-055206-2 
  • Ahlmark, Per; Tingsten, Herbert (1992). Tyranniet begär förtroende. Stockholm: Ratio. ISBN 91-7568-029-7 
  • Ahlmark, Per (1993). Det eviga hatet : om nynazism, antisemitism och Radio Islam. Stockholm: Bonnier. ISBN 91-0-055626-2 
  • Ahlmark, Per (1994). Vänstern och tyranniet : det galna kvartsseklet. Stockholm: Timbro. ISBN 91-7566-274-4 
  • Ahlmark, Per (1996). Malmberg, Fredrik, ed. Den nya ofriheten : ska diktaturerna pina oss också under nästa sekel?. Stockholm: Ekerlid. ISBN 91-88594-56-4 
  • Ahlmark, Per (1997). Det öppna såret : om massmord och medlöperi. Stockholm: Timbro. ISBN 91-7566-326-0 
  • Ahlmark, Per (2004). Det är demokratin, dumbom!. Stockholm: Timbro. ISBN 91-7566-548-4 

Referências

  1. «Per Ahlmark». Bonniers Compact Lexikon (em sueco). Estocolmo: Bonnier lexikon. 1995-1996. 13 páginas. ISBN 91-632-0067-8 
  2. a b c d Sleeman, Elizabeth, ed. (2003). "Ahlmark, Per" . The International Who's Who 2004 . Londres: Routledge . pp.  17 . ISBN 1-85743-217-7.
  3. Henningsen, Bernd (15 de junho de 1998). «Die europäische Wunde blutet auch im Norden». doi:10.18452/7711. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  4. "Ahlmark, Per". Nationalencyklopedin Multimedia 2000 (em sueco). Höganäs : Bra Böcker. 2000. ISBN 91-7133-747-4.
  5. a b «timbro.se/ahlmark». web.archive.org. 22 de julho de 2006. Consultado em 15 de janeiro de 2021 
  6. a b «Sending in a dupe to disarm Saddam -- The Washington Times». web.archive.org. 4 de abril de 2003. Consultado em 15 de janeiro de 2021 

Ver tambémEditar