Abrir menu principal

Perspectiva atmosférica

Pintura de Oswald Achenbach com a técnica da perspectiva atmosférica.
Fotografia com o efeito visual da perspectiva atmosférica.
As luas, Epimetheus (à esquerda) e Janus, parecem perto uma da outra por causa do escorço; na realidade, Janus está aproximadamente 40.000 km distante de Epimetheus. No Espaço sideral as tonalidades e as cores não são filtradas pela atmosfera.

A perspectiva atmosférica é um método de obtenção da profundidade, nas artes visuais, que se baseia na alteração das tonalidades por influência do ar. A luz refletida dos objetos têm que viajar pelo espaço, o que faz com que suas relações tonais se tornem mais claras, "frias" e pouco saturadas, pela ação da atmosfera.[1]

Os pintores impressionistas a usaram frequentemente para aumentar a ideia de profundidade, embora esta técnica fosse conhecida há muito tempo. Uma paisagem de Sung, pintor chinês, e os fundos dos retratos florentinos, são provas da utilização desse princípio.[1]

A técnica também é chamada de perspectiva aérea ou perspectiva tonal.[2]

No espaço sideral não existe este método de identificação de profundidade.

Referências

  1. a b Rober Gillan Scott (1970). Fundamentos del diseño. [S.l.]: Editorial Victor Leru. p. 128 
  2. Magno Anchieta (2010). «Perspectiva tonal ou atmosférica». Scribd. Consultado em 19 de outubro de 2012 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.