Peter Seewald

Peter Seewald (* 10 de julho de 1954 em Bochum) é um jornalista e autor alemão.

VidaEditar

Peter Seewald cresceu em Salzweg, perto de Passau, na Baixa Baviera, em uma família católica. Seus laços religiosos originalmente estreitos - ele era um administrador sênior em sua paróquia natal - deram lugar desde muito cedo a uma atitude crítica da igreja no curso dos protestos de 1968, durante o qual ele se tornou um seguidor do marxismo e que o levou a deixar a igreja em 1973. No verão de 1976, ele fundou o jornal semanal liberal de esquerda Passauer Kleine Zeitung em Passau, que foi encerrado dois anos depois, na primavera de 1978.

Seewald foi editor da Spiegel de 1981 a 1987 e repórter da Stern de 1987 a 1990. Ele então mudou para a revista do Süddeutsche Zeitung, de onde saiu em 1993. Desde então, ele é jornalista freelance. Depois de deixar a igreja, ele continuou a se dedicar aos temas religiosos. A partir de uma entrevista detalhada com o cardeal Joseph Ratzinger em 1996, ele finalmente produziu seu livro Salz der Erde (Sal da Terra), que editou junto com o entrevistado e que retrata o futuro Papa além dos papéis frequentemente comentados. Segundo Seewald, essa entrevista também foi ocasião para sua reconsideração, que acabou resultando em seu reingresso na Igreja Católica.

Depois, o autor também preferiu se dedicar aos temas religiosos. Entre suas obras seguintes, há outra, Gott und die Welt (Deus e o Mundo), que editou junto com Ratzinger. Ambas as publicações conjuntas tornaram-se bestsellers amplamente traduzidos. Seewald tem um relacionamento bom e próximo com Ratzinger, a quem ele descreve como parcialmente responsável por sua conversão. Após sua eleição como Papa, ele escreveu dois retratos dele.

No verão de 2010, Seewald ficou alguns dias em Castel Gandolfo para se encontrar com o Papa Bento XVI e preparar um terceiro livro de entrevista com o Papa Bento XVI. Foi publicado no final de novembro de 2010 com o título Licht der Welt (Luz do Mundo). As declarações do Papa aí contidas foram interpretadas na reportagem como uma relativização de uma rejeição ao uso do preservativo.[1][2]

Seewald tenta despertar a compreensão para a motivação dos católicos conservadores. Como “[realmente] progressista” e voltado para o futuro, ele defende um “retorno às raízes, ao original, à competência central, à missão” e se opõe ao que chama de “religião fria e professoral dos anos 1970” [sic].[3]

Em agosto de 2020, Seewald criticou o jornal semanal Die Tagespost pelo que considerou um artigo "tendencioso e prejudicial à reputação" em sua reportagem sobre uma doença do Papa emérito Bento XVI.[4]

Peter Seewald é casado e tem dois filhos, Paul e Jakob.[5] Ele mora em Munique.

Trabalhos (seleção)Editar

 
Mosteiro de Monte Cassino, local de origem do livro Deus e o Mundo, aqui: Cemitério Polonês dos Caídos

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar