Pierre Viansson-Ponté

Viansson Pierre-Ponte (Loire-Atlantique, 2 de agosto de 1920 -[onde?], 7 de maio de 1979) foi um jornalista francês. Ele estudou com os jesuítas e serviu como cadete de tanque em 1940, participando ativamente da Resistência.[qual?]

Doutor em Direito, ele começou no jornalismo na AFP 1945-1952. Ele co-fundou a L'Express e foi o editor deste jornal de 1953-1958.

De 1958 até sua morte, ele descreveu de forma brilhante comentários sobre acontecimentos políticos no Le Monde, ocupando vários cargos: Chefe do Serviço Político (1958), Redator Chefe Adjunto (1969) e Editorialista do Conselho de Direção (1972).

Escreveu em 15 de março de 1968 um artigo que se tornou muito famoso, quando a França está entediada, anunciando os acontecimentos de 68 de Maio (Lamartine havia usado a fórmula na Monarquia de Julho). Sua última coluna foi publicada na edição, anunciando sua morte. Foi uma das maiores figuras da imprensa francesa, que a visão só foi igualada por modéstia. "Eu amo a política, como outros[amam] o teatro ", disse ele.

Pierre Viansson-Ponté exerceu o mandato de Conselheiro Municipal de Bazoches-Guyon (Yvelines) e lecionou na Universidade de Paris I-Sorbonne.

BibliografiaEditar

  • Risques et Chances de la Ve République, Plon, 1959
  • Les Gaullistes, Rituel et annuaire, Le Seuil, 1963
  • Les Politiques, Calmann-Lévy, 1966
  • Après de Gaulle, qui ?, Le Seuil, 1968 (qui contient de remarquables portraits de Georges Pompidou, François Mitterrand et Valéry Giscard d'Estaing (les prétendants), Michel Debré, Alain Peyrefitte, Jacques Chaban-Delmas, Edgar Faure, Jean Lecanuet, Gaston Defferre (les suppléants) plus une trentaine de caciques, alchimistes, apparatchiks et alevins. Seul Alain Poher, rival de Pompidou en 1969 fut oublié !).
  • Histoire de la République gaullienne, Fayard 1971
  • Lettre ouverte aux hommes politiques, Paris, Albin Michel, 1976
  • Changer la mort, en collaboration avec Léon Schwartzenberg, Paris, Albin Michel, 1977