Abrir menu principal

Política do Nepal

Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde dezembro de 2016).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em junho de 2006 o governo do Nepal e os rebeldes maoístas chegaram a um acordo para pôr fim a uma década de conflito.

Tal conflito ocorreu na tentativa de se instituir um estado comunista, no lugar da monarquia absoluta então vigente. A ideologia maoísta se fez presente no Nepal devido às condições materiais existentes, muito parecidas com as chinesas da primeira metade do século XX.

O Governo provisório de Katmandu e a guerrilha maoísta assinaram dia 21 de novembro de 2006, na capital nepalesa, um importante acordo político que põe fim a dez anos de guerra civil.

O texto foi assinado pelo chefe do Governo, Girija Prasad Koirala, e o líder maoísta, Pushpa Kamal Dahal, conhecido por presidente Prachanda, numa cerimónia transmitida pela televisão a que assistiram a generalidade da classe política do Nepal e a maioria das representações diplomáticas acreditadas no país. Do acordo resulta a integração de representantes maoístas no Governo e no Parlamento interino, o acantonamento da guerrilha, que se transforma em partido político, e a redução do número de efectivos do exército. Estão também marcadas eleições, em Junho de 2007, para uma Assembleia Constituinte que deverá pronunciar-se sobre o futuro da monarquia como forma de regime no Nepal.

O acordo assinado culmina um processo político de colaboração entre uma plataforma de sete partidos políticos nepaleses e a guerrilha maoísta que, desde Abril do corrente ano, desencadearam uma ação concertada para levar o rei, Gyanendra Bir Bikram, a revogar o estado de sítio proclamado em Fevereiro de 2005. Nesta data, invocando a situação de guerra civil que se vivia no país desde 1996, quando a organização de Prachanda iniciou uma "guerra popular" para derrubar a monarquia, Gyanendra assumiu o Governo e prometeu liquidar a guerrilha como condição prévia "para reativar a democracia multipartidária no espaço de três anos", disse então o monarca nepalês.

O acordo foi assinado um dia depois de serem conhecidas as conclusões de uma investigação sobre a atuação de Gyanendra entre Fevereiro de 2005 e Abril de 2006, em que se concluiu pela responsabilidade do rei na repressão que causou 19 mortos nos confrontos entre as forças de segurança e apoiantes da aliança dos sete partidos e dos maoístas.

Após as manifestações, o rei teve de ceder, levantando o estado de sítio e vendo serem reduzidos os seus poderes a um nível cerimonial.

Em setembro de 2015, uma nova constituição entrou em vigor no país. O novo texto foi formado com a esperança de trazer estabilidade política para o Nepal depois de décadas de grandes mudanças na configuração de poder. Visa, também, gerar o ambiente favorável para conseguir fomentar o crescimento, desenvolvimento e restauração do país após o terremoto do mesmo ano. A nova constituição mudou a divisão do Nepal, tornando uma República Federal com 7 províncias e um Estado secular. Algumas regiões, ao sul do país, porém, contam com uma parcela da população descontente com a nova constituição. Essas pessoas, de etnias minoritárias, querem a formação de uma província própria para essas áreas, achando que com a atual configuração elas serão sub-representadas. A constituição trouxe cotas para representação política de grupos discriminados historicamente, como as mulheres, comunidades indígenas e pessoas de castas baixas.[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Why is Nepal's new constitution controversial?». BBC. 19 de setembro de 2015. Consultado em 29 de outubro de 2015 

Ligações externasEditar