Polygon é um site de jogos eletrônicos que publica blogs, resenhas, guias, vídeos e notícias. Em seu lançamento em outubro de 2012 como a terceira propriedade da Vox Media, a Polygon procurou se diferenciar dos concorrentes focando nas histórias das pessoas por trás dos jogos, em vez dos próprios jogos. Também produziu artigos de longa forma em estilo de revista, investiu em conteúdo de vídeo e optou por permitir que suas pontuações de resenhas fossem atualizadas conforme o jogo mudava.

Polygon
Logo usado desde o final de 2015
Proprietário(s) Vox Media
Gênero Jornalismo de jogos eletrônicos
País de origem Estados Unidos
Idioma(s) Inglês
Lançamento 24 de outubro de 2012 (2012-10-24)
Posição no Alexa BaixaPositiva 1.328 (janeiro de 2020)[1]
Endereço eletrônico polygon.com
Estado atual Ativo

O site foi construído ao longo de dez meses, e sua equipe fundadora de 16 pessoas incluía os editores-chefes dos sites de jogos Joystiq, Kotaku e The Escapist. Seu design foi construído de acordo com os padrões responsivos HTML5 com um esquema de cores rosa, e seus anúncios focados no patrocínio direto de tipos específicos de conteúdo. A Vox Media produziu uma série de documentários sobre a fundação do site.

HistóriaEditar

 
Jim Bankoff, o diretor executivo da Vox Media, em 2014

O site Polygon foi lançado em 24 de outubro de 2012, como a terceira propriedade da Vox Media. O site cresceu a partir do blog de tecnologia The Verge, que foi lançado um ano antes como um resultado do crescimento da rede de blogs de esportes SB Nation, antes que a Vox Media fosse formada. O diretor executivo da Vox Media, Jim Bankoff, abordou o editor-chefe da Joystiq, Christopher Grant, no início de 2011, sobre o início de um site sobre jogos eletrônicos.[2][a] Bankoff considerou os jogos eletrônicos como um mercado vertical lógico para a Vox, cujos sites atraíram um grupo demográfico de 18 a 49 anos. Ele também viu os jogos como um mercado em expansão, considerando as categorias de jogos para celular e para redes sociais.[3] A Forbes descreveu a oferta de Bankoff como um "sério compromisso com o jornalismo online" em uma época de content farms e publicações impressas em extinção, mas Grant não confiou na oferta e recusou. Mas, ao ver o esforço que a Vox Media havia colocado no Verge, seu sistema de gerenciamento de conteúdo e a qualidade de seu conteúdo e patrocínios, Grant mudou de ideia e voltou a falar com Bankoff. Grant queria que o novo site competisse com os principais sites de jogos GameSpot e IGN, mas ainda fosse capaz de veicular "jornalismo de revista" de longa forma que poderia ser de interesse histórico.[2][b] Como parte da tentativa do site de "redefinir o jornalismo de jogos", a Vox Media fez uma série de documentários de 13 partes sobre a criação do site ("Press Reset") que documentou a criação do site do início ao lançamento.[3]

A Forbes descreveu a equipe original de 16 pessoas da Polygon como "cravejada de estrelas" por incluir os editores-chefes de três blogs de jogos eletrônicos concorrentes. Grant saiu da Joystiq em janeiro de 2012 e trouxe os editores-chefes da Kotaku e da The Escapist, Brian Crecente e Russ Pitts.[2] Outros funcionários incluíam o editor-chefe da Joystiq Justin McElroy, bem como o editor de fim de semana Griffin McElroy,[5] e pessoas da UGO, IGN, MTV, VideoGamer.com,[3][6] e 1UP.com.[7] Ben Kuchera entrou no site depois da The Penny Arcade Report fechar em novembro de 2013.[8] O time da Polygon trabalha remotamente de lugares como Filadélfia, Virgínia Ocidental, San Francisco, Sydney, Londres e Austin, enquanto a Vox Media está sediada na cidade de Nova York e Washington, D.C.[9][10] O site foi desenvolvido ao longo de dez meses, nos quais a equipe escolheu o nome do site e definiu padrões para seus relatórios[2] e avaliaram a escala de pontuação.[4] A equipe da Polygon começou a publicar no Verge como "Vox Games" começando em fevereiro de 2012[11] e terminando com seu lançamento em outubro.[3] O nome do site foi anunciado em um painel da PAX East em abril[7] e refere-se a um polígono — "o bloco de construção visual básico dos jogos eletrônicos".[10]

Depois de levantar dinheiro em uma segunda rodada de financiamento no final de 2013, a Vox Media anunciou que iria investir ainda mais em conteúdo de vídeo no site, de forma que a experiência do site fosse "tão parecida com a programação de TV quanto com a publicação de revistas".[12] A Polygon anunciou que utilizaria menos recursos em junho de 2014, com a saída do editor de recursos Russ Pitts, seu diretor e designer de vídeo.[13] Posteriormente contratou Susana Polo, fundadora da The Mary Sue, em 2015, marcando uma transição no escopo do site para também adicionar cultura pop e entretenimento, ao lado de sua cobertura de jogos eletrônicos. A GamesIndustry acrescentou que o contrato marcou uma mudança de sensibilidade cultural na mídia de jogos e tecnologia para a aceitação de princípios feministas progressistas no despertar da Gamergate.[14]

Reorganização (2017–19)Editar

Posteriormente, a Vox Media criou vários sites dedicados a jogos eletrônicos específicos com equipe editorial da Polygon e da SB Nation: The Rift Herald (para League of Legends) em março de 2016,[15] e The Flying Courier (para Dota 2) e Heroes Never Die (para Overwatch) em junho de 2017.[16] Brian Crecente saiu da Polygon, indo para a Glixel, o site de jogos da Rolling Stone, em julho de 2017,[17] e Chris Plante substituiu-o como editor executivo.[18] O produtor de vídeos da Polygon Nick Robinson saiu do site em agosto de 2017, após alegações de avanços sexuais inadequados online.[19] Em 2018, Griffin e Justin McElroy anunciaram sua saída do site, a fim de se concentrar em seus podcasts e famílias.[20] Em julho de 2019, o editor-chefe Christoper Grant foi promovido à posição de vice-presidente sênior da Polygon e do Verge pela Vox Media. Grant foi substituído como editor-chefe por Christopher Plante.[21]

Conteúdo e designEditar

Queremos nos concentrar no lado humano do desenvolvimento e nas pessoas. Quero que as pessoas sintam o respeito que sentimos por elas.

Justin McElroy sobre a estratégia editorial da Polygon em outubro de 2012[4]

A Polygon publica notícias, entretenimento, críticas e vídeos sobre jogos eletrônicos.[11] Eles procuraram diferenciar seu conteúdo de outros veículos de jornalismo de jogos, concentrando-se nas pessoas que fazem e jogam os jogos, e não apenas nos jogos. No início do site, a Polygon planejava publicar vários artigos de longa forma semanais, que pretendiam ser comparáveis em intenção às histórias de capa de revistas.[4] Eles também decidiram permitir que as pontuações das análises dos jogos fossem atualizadas à medida que os jogos eram atualizados,[3] de modo a refletir mais adequadamente os jogos que mudam com conteúdo para download e atualizações desde o lançamento original.[4] Por exemplo, o site recebeu críticas por sua pontuação comparativamente baixa dada a The Last of Us,[22] mas que foi posteriormente aumentada com a versão remasterizada do jogo.[23] Em consideração aos jogos que podem diferir em qualidade antes e depois do lançamento, a Polygon mais tarde começou a marcar as análises pré-lançamento como "provisórias" para adiar a pontuação final até depois de seu lançamento público.[24] A partir de setembro de 2018, o site optou por descartar as avaliações pontuadas de jogos, para permitir que seus revisores tenham mais liberdade na forma de avaliar um jogo; eles substituiram seu sistema de pontuação por um chamad "Polygon Recommends", um jogo que o revisor, tendo jogado o suficiente para fazer uma determinação, pode apoiar para o site. Esses títulos recomendados posteriormente servem como base para a seleção de "Polygon Essentials", jogos que o site acha que todos deveriam jogar.[25]

A ênfase da Polygon na produção de vídeo foi expandida no final de 2013,[12] e diminuiu em meados de 2014 com a perda da equipe de vídeo e a decisão editorial de publicar menos artigos.[13] Em 2015, o site começou a mudar sua cobertura que era apenas de jogos para também cobrir a cultura pop, se assemelhando ao escopo dos sites rivais IGN e Kotaku.[14] O podcast da Polygon Minimap foi eleito um dos melhores do iTunes de 2015,[26] e a New York elogiou a websérie Car Boys do site.[27] O podcast carro-chefe do site, intitulado The Polygon Show, foi lançado em 2017 e discute jogos e cultura.[28] Foi nomeado um dos "10 podcasts de jogos que todo nerd deve conhecer" pela The Daily Dot em 2018.[29] Em maio de 2018, a Polygon lançou uma série no YouTube chamada "Brand Slam", na qual mascotes de marca lutam uns contra os outros.[30]

O site usa uma paleta de cores rosa[3] e emula o layout em estilo de revista do Verge.[31] O site foi programado para usar padrões HTML5 com design responsivo que se adapta às dimensões da tela de laptops, tablets e smartphones.[2] Isso é parcialmente para remover a necessidade de uma versão móvel separada.[31] Seu jornalismo de longa forma foi otimizado para leitura em tablets.[4]

NegóciosEditar

O site usa um modelo de "patrocínio de conteúdo direto" de publicidade online, utilizado pela SB Nation e pelo The Verge. Por exemplo, o patrocínio de uma série de vídeos associa marcas a um conteúdo editorial específico. A Forbes escreveu que a evitação da Vox Media de táticas agregadoras de conteúdo e notícias e o interesse demonstrado em construir comunidades é desejável para "anunciantes com qualidade de revista".[2] O site apresentou seu jornalismo de longa forma aos anunciantes como um indicador de conteúdo de alta qualidade.[4] Os patrocinadores fundadores do site incluíam Geico, Sony, e Unilever.[2]

Em junho de 2014, a Polygon ficou em quarto lugar entre os sites de jogos por dados de tráfego da web da Comscore, atrás da IGN, GameSpot e Kotaku. No mesmo mês, Grant relatou que o mês anterior tinha sido o seu mês mais popular.[13]

Notas

  1. Bankoff era um ex-executivo da AOL e a Joystiq era um blog de jogos eletrônicos de propriedade da AOL.[2]
  2. Jornalismo de longa forma na web era incomum na época.[4]

Referências

  1. «polygon.com Traffic Statistics». Alexa Internet. Consultado em 1 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 13 de julho de 2018 
  2. a b c d e f g h Solomon, Brian (24 de outubro de 2012). «The Inside Story Of Polygon, The Verge's New Gaming Sister-Site». Forbes. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2014 
  3. a b c d e f Duryee, Tricia (24 de outubro de 2012). «Let the Games Begin: Vox Media Launches a New Site Covering Videogames». All Things Digital. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  4. a b c d e f g Stark, Chelsea (25 de outubro de 2012). «Veteran Game Journalists Unite to Launch Vox's 'Polygon'». Mashable. Consultado em 3 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2015 
  5. McElroy, Griffin (24 de abril de 2018). «It's a Departure». Polygon. Consultado em 25 de junho de 2018. Cópia arquivada em 24 de junho de 2018 
  6. Cullen, Johnny (4 de janeiro de 2012). «Joystiq group, Crecente to form VOX Games – details». VG247. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  7. a b Cullen, Johnny (6 de abril de 2012). «Vox Games becomes Polygon, Gera and Kollar become new staff members». VG247. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  8. GamePolitics Staff (2 de janeiro de 2014). «Ben Kuchera Joins Polygon». GamePolitics.com. Consultado em 4 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  9. Associated Press (13 de agosto de 2015). «Digital Media Hub Vox Valued at $1B as NBCUniversal Invests». Inc. Consultado em 30 de julho de 2018. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2018 
  10. a b Beaujon, Andrew (25 de outubro de 2012). «Why Polygon takes video-games journalism seriously». Poynter Institute. Consultado em 4 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  11. a b Swisher, Kara (21 de fevereiro de 2012). «On the Verge Again: Vox Media Officially Launches Into Videogames Content Arena». All Things Digital. Consultado em 3 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  12. a b Johnson, Erik (16 de outubro de 2013). «Polygon publisher Vox Media raises $40m». MCV. Consultado em 4 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  13. a b c Parfitt, Ben (19 de junho de 2014). «Three staff cut as Polygon moves away from features and video». MCV. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  14. a b Pearson, Dan (3 de março de 2015). «Polygon hires The Mary Sue founder Susana Polo». GamesIndustry.biz. Consultado em 21 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2015 
  15. Sinclair, Brendan (15 de abril de 2016). «SB Nation, Polygon launch League of Legends site». GamesIndustry.biz. Consultado em 7 de junho de 2017. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2017 
  16. Grant, Christopher (7 de junho de 2017). «Introducing three new esports sites». Polygon. Consultado em 7 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de julho de 2017 
  17. Sinclair, Brendan (11 de julho de 2017). «Brian Crecente leaving Polygon». GamesIndustry.biz. Consultado em 14 de julho de 2017. Cópia arquivada em 14 de julho de 2017 
  18. «The Verge's Chris Plante to take executive editor role at Polygon». GamesIndustry.biz. 1 de agosto de 2017. Consultado em 14 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2017 
  19. Plunkett, Luke (10 de agosto de 2017). «Polygon Parts Ways With Nick Robinson Following Twitter Claims». Kotaku. Consultado em 11 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  20. McElroy, Griffin (24 de abril de 2018). «It's a Departure». Polygon (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2019 
  21. «Vox Media Elevates Editorial Leadership». 18 de julho de 2019. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  22. Tan, Nicholas (6 de junho de 2013). «Polygon Slammed For 7.5 Review For The Last of Us». GameRevolution. Consultado em 4 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  23. Kollar, Philip (5 de junho de 2013). «The Last of Us Review: Dead Inside». Polygon. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  24. Orland, Kyle (15 de fevereiro de 2015). «The spotty death and eternal life of gaming review scores». Ars Technica. Consultado em 10 de abril de 2015. Cópia arquivada em 10 de abril de 2015 
  25. Plante, Chris (4 de setembro de 2018). «Polygon is updating its reviews program for 2018 — and saying farewell to scores». Polygon. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  26. Rogoff, Andrea (22 de dezembro de 2015). «Vox Media in the News: Week of December 21, 2015». Vox Media. Consultado em 24 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2016 
  27. Feldman, Brian (14 de outubro de 2016). «Car Boys, the Hilarious Existential Horror Car-Crash Series, Is the Best Fall Show». New York. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2016 
  28. Cohen, David (3 de outubro de 2017). «Vox Media Will Begin Livestreaming Circuit Breaker, The Polygon Show on Twitter». Adweek. Consultado em 21 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2018 
  29. Knoop, Joseph (16 de julho de 2018). «10 gaming podcasts every gaming nerd should know». The Daily Dot. Consultado em 30 de julho de 2018. Cópia arquivada em 18 de julho de 2018 
  30. Wohl, Jessica (9 de maio de 2018). «Marketers' Mascots Pummel Each Other to Submission in Polygon's 'Brand Slam'». Advertising Age. Consultado em 30 de julho de 2018. Cópia arquivada em 13 de junho de 2018 
  31. a b Hillier, Brenna (25 de outubro de 2012). «Vox Media's Polygon now live on dedicated website». VG247. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 

Ligações externasEditar