Abrir menu principal

Prostaglandina E2

composto químico
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde agosto de 2011). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Prostaglandina E2
Alerta sobre risco à saúde
Prostaglandin E2.svg
Dinoprostone.png
Nome IUPAC (5Z,11α,13E,15S)-7-[3-hydroxy-2-(3-hydroxyoct-1-enyl)- 5-oxo-cyclopentyl] hept-5-enoic acid
Outros nomes (5Z,11α,13E,15S)-11,15-Dihydroxy-9-oxo-prosta-5,13-dien-1-oic acid
Identificadores
Número CAS 363-24-6
PubChem 9691
DrugBank APRD00927
Código ATC G02AD02
Propriedades
Fórmula química C20H32O5
Massa molar 352.44 g mol-1
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A prostaglandina E2 (PGE2) é um Eicosanóide (molécula lipídica com uma estrutura de 20C) do grupo das prostaglandinas. É um derivado do ácido araquidónico e, consequentemente, pertence à série 2 dos eicosanóides, pois possui duas ligações covalentes duplas. É um dos produtos da via metabólica da cascata do ácido araquidónico, à semelhança das demais prostaglandinas, dos tromboxanos e dos leucotrienos.

É sintetizada pela prostaglandina E2 sintetase a partir da prostaglandina precursora PGH2. A molécula foi descoberta em 1976 por Bunting, Gryglewski, Moncada e Vane.

Cascata do ácido araquidónico e a síntese de PGE2

A PGE2 é um mediador lipídico de grande relevância na bioquímica humana que actua sobre um conjunto de receptores acoplados à proteína G denominados EP. Existem três isoformas do receptor: EP1, EP2 e EP3. Os efeitos da PGE2 são mediados por vias de sinalização intracelular que vão, obviamente, depender do tipo de receptor a que a molécula se ligar.

As ações conhecidas desta prostaglandina são as seguintes:

  • mediadas pelo receptor EP1:
    • aumento do tónus do músculo liso brônquico (broncoconstrição);
    • aumento do tónus do músculo liso do tracto gastro-intestinal;
  • mediadas pelo receptor EP2:
    • diminuição do tónus do músculo liso brônquico (broncodilatação);
    • diminuição do tónus do músculo liso do tracto gastro-intestinal;
    • vasodilação sistémica (à semelhança da PGI2, mas, ao contrário desta, não inibe a agregação plaquetária);
    • vasodilação renal (actua conjuntamente com a PGD2 na dilatação da microvasculatura renal);
  • mediadas pelo receptor EP3:
    • aumento do tónus do músculo liso do tracto gastro-intestinal;
    • inibição da secreção gástrica de HCl (acção sob as células parietais da mucosa gástrica);
    • aumento da secreção de muco pela mucosa gástrica (acção sob as glândulas mucosas);
    • inibição da neurotransmissão do sistema nervoso autónomo;
    • inibição da lipólise;
    • aumento da contractilidade do músculo liso uterino (indutor do parto).


BibliografiaEditar

  • DEVLIN, Thomas. Textbook of Biochemistry with clinical correlations. 2005, Wiley-Liss, 6ª edição. ISBN 13 978-0-471-67808-3
  • RANG, H.; DALE, M.. Rang and Dale's Pharmacology.2009, Churchill Livingstone, 6ª edição. ISBN 9780808923541


 
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.