Abrir menu principal
Queda de Galípoli
Guerras bizantino-otomanas
Byzantine empire 1355.jpg
Bálcãs e Mar Egeu em 1355
Data 1354
Local Galípoli
Desfecho Ocupação otomana de Galípoli
Beligerantes
Império Bizantino Império Otomano Império Otomano
Comandantes
Nenhum Solimão Paxá

A Queda de Galípoli foi o cerco e captura da fortaleza e península de Galípoli, até então sob controle bizantino, pelos turcos otomanos em março de 1354. Após sofrer meio-século de derrotas nas mãos dos otomanos, o Império Bizantino perdeu quase todas as suas possessões na Anatólia. O acesso aos mares Egeu e de Mármara significava que os otomanos poderiam agora implementar a conquista do sul dos Bálcãs, e poderiam avançar mais ao norte para a Sérvia e Hungria.

Índice

OcupaçãoEditar

Durante a guerra civil bizantina de 1352-1357, mercenários turcos aliados ao imperador João VI Cantacuzeno (r. 1347–1354) saquearam muito da Trácia bizantina e, em torno de 1352, a eles foi garantido a pequena fortaleza de Tzimpe próximo a Galípoli.[1][2] Em 2 de março de 1354, a área foi atingida por um terremoto que destruiu centenas de vilas e cidades na área.[3] Quase todos os edifícios em Galípoli foram destruídos, causando a evacuação da população grega. Dentro de um mês, Solimão Paxá cooptou o sítio, rapidamente fortificando e povoando-o com famílias turcas trazidas da Anatólia.[1]

RescaldoEditar

João VI ofereceu pagamentos em dinheiro para o sultão otomano Orcano I (r. 1327–1359) para evacuá-la, mas foi recusado. O sultão alegadamente disse que não tomou a cidade por força e não poderia desistir algo que foi "concedido a ele por Alá".[4] O pânico se espalhou por toda Constantinopla, com muitos acreditando que os turcos logo viriam para a cidade. Devido a isso, a posição de Cantacuzeno tornou-se instável, e foi derrubado em novembro de 1354.[3] Galípoli tornou-se a grande ponte europeia através da qual os otomanos facilmente se expandiriam mais além.[5] Em menos de 10 anos, quase toda a Trácia bizantina caiu para os turcos, incluindo Adrianópolis.[3]

Referências

  1. a b Nicolle 2010, p. 8.
  2. Goffman 2002, p. 42.
  3. a b c Ostrogorsky 1969, p. 530-537.
  4. Norwich 1997, p. 348.
  5. Vasiliev 1952, p. 622.

BibliografiaEditar

  • Goffman, Daniel (2002). The Ottoman Empire and Early Modern Europe. [S.l.]: Cambridge University Press 
  • Nicolle, David; Hook, Adam (2010). Ottoman Fortifications 1300–1710. [S.l.]: Osprey Publishing 
  • Vasiliev, Alexander Alexandrovich (1952). History of the Byzantine Empire, 324–1453. Madison, Wisconsin: The University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-80925-0