Quiralidade (matemática)

Em geometria, uma figura é quiral (e diz-se ter quiralidade) se não é idêntica a sua imagem no espelho (especular), ou, mais precisamente, se não pode ser mapeada a sua imagem no espelho somente por rotações e translações. Um objeto que não é quiral é dito aquiral. Em 3 dimensões, nem todos os objetos quirais têm um plano de espelhamento. Os termos quiral e quiralidade foram introduzidos por Lord Kelvin.[1][2][3][4]

Pegadas esquerda e direita são individualmente quirais enantiomorfas num plano porque são como imagens num espelho, enquanto que não contém qualquer simetria espelhada individualmente.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Thomson W. (1904) Baltimore Lectures on Molecular Dynamics and the Wave Theory of Light, Appendix H., sect. 22, footnote p. 619, London: Cambridge University Press Warehouse.
  2. Darvas G. (2007) Symmetry (section 12), Basel/Berlin/Boston: Birkhäuser.
  3. Weyl H. (1952) Symmetry, Princeton, New Jersey: Princeton University Press.
  4. Michel Petitjean; CHIRALITY IN METRIC SPACES; Symmetry: Culture and Science, Vol. 21, Nos.1-3, 27-36, 2010.