Ramón Corral

Ramón Corral
Nascimento 10 de janeiro de 1854
Álamos
Morte 10 de novembro de 1912 (58 anos)
Paris
Cidadania México
Ocupação político, ministro, militar
Causa da morte câncer pancreático

Ramón Corral Verdugo (Álamos, 10 de janeiro de 1854Paris, 10 de novembro de 1912) foi um político mexicano, vice-presidente do México durante a presidência de Porfirio Díaz, a partir 1904 até à deposição de ambos em 1911.

JuventudeEditar

Ramón Corral nasceu na Hacienda Las Mercedes (ponde o seu pai trabalhava),[1] próximo da cidade de Álamos (Sonora), no dia 10 de janeiro de 1854, filho de Fulgencio Fabián Corral Rochín e de María Francisca Almada y Verdugo.

Começou por ganhar notoriedade em 1872 como editor de dois jornais locais, “El Fantasma”, e “La Voz de Álamos,” ambos críticos do então governador-geral de Sonora Ignacio Pesqueira. Nos anos que se seguiram, Ramón Corral envolveu-se cada vez mais na política.

Casou com Amparo Escalante em 25 de fevereiro de 1888. Amparo Escalante era filha de Vicente Escalante um bem conhecido estadista mexicano da época.

Atividade políticaEditar

Corral era um dos Científicos embebidos na "política científica" positivista, funcionavam como parte do seu programa de modernização do início do século XX que aconselhavam o presidente Porfirio Díaz. Fii governador de Sonora entre 1895 e 1899, governador do Distrito Federal (México) em 1900 e Ministro do Interior em 1903. Foi eleito vice-presidente em 1904 e reeleito em 1910.

Últimos diasEditar

Díaz escolheu Corral como seu sucessor em 1911, mas Corral havia viajado a Paris para tratamentos médicos, pois havia-lhe sido diagnosticado um cancro do pâncreas. Após ter sido operado, descobriu-se que o cancro era incurável. Devido à sua saúde em deterioração e à crescente oposição revolucionária ao governo de Díaz, Ramón Corral apresentou a sua demissão a Francisco León de la Barra, ministro dos negócios estrangeiros de Porfirio Díaz, a qual Barra apenas aceitou quando Díaz renunciou em 25 de maio de 1911.[2] Faleceria em Paris, em 12 de novembro de 1912.[3]

Carta de renunciaEditar

A carta de renúncia de Corral não dava dúvidas de que ele tinha conhecimento prévio da intenção de Díaz de renunciar e que o curso dos acontecimentos levaria a um novo governo para o México:

Nas duas ocasiões em que a convenção nacional avançou minha candidatura a vice-presidente da república, para figurar nas eleições com o general Díaz como presidente, afirmei que estava preparado para ocupar qualquer cargo em que os compatriotas considerassem que eu seria de uso, e que se o voto público me conferisse uma posição tão acima dos meus méritos, então minha intenção seria apoiar em todos os aspectos a política do general Diaz, a fim de cooperar com ele, na medida em que estivesse em meu poder, para o engrandecimento da nação, que se desenvolvera notavelmente sob sua administração.

Quem se preocupa com a coisa pública e tem observado o seu progresso nos últimos anos, poderá dizer se cumpri a minha intenção.

De minha parte, posso dizer que nunca me esforcei para trazer o menor obstáculo, seja na política do Presidente, seja na sua maneira de executá-la, mesmo à custa de sacrificar minhas convicções, tanto porque essa era a base do meu programa como porque isto correspondia à minha posição e à minha lealdade, bem como ao facto de não procurar qualquer prestígio no cargo de Vice-Presidente, tão útil nos Estados Unidos e tão desacreditado nos países latinos.

Nos acontecimentos que abalaram o país nestes últimos meses, o Presidente foi levado a considerar que é patriótico renunciar ao alto cargo que o voto quase unânime dos mexicanos lhe conferiu nas últimas eleições, e que é aconselhável, ao mesmo tempo, no interesse do país, que o Vice-Presidente faça o mesmo, para que novos homens e novas energias sigam levando a prosperidade da nação.

Seguindo meu programa de apoiar a política do Gen. Diaz, eu junto minha renúncia à sua e na presente nota me aposento do cargo de Vice-Presidente da República, implorando que a Câmara aceite a mesma ao mesmo tempo que a do Presidente.

Rogo-vos, senhores, que vos informem do acima exposto, que apresento com os protestos da minha mais elevada consideração.

Liberty and Constitution, Paris, 4 de maio de 1911.

[Assinado] "RAMON CORRAL."[4]

Trabalhos selecionadosEditar

  • Breve Manifestación que la Diputación Permanente del Congreso del Estado, Hace al Pueblo. Ures, Sonora, México: Imprenta del Gobierno. 1878
  • El General Ignacio Pesqueira: Reseña Histórica del Estado de Sonora. Hermosillo, Sonora, Mexico: Imprenta del Estado. 1900 [1886].[5] Uma biografia de Ignacio Pesqueira, governador de Sonora por 20 anos (1856-1876).
  • Informe leido por el C. Ramón Corral vice gobernador constitucional de Sonora ante la legislatura del mismo estado. Hermosillo, Sonora, México: Gobierno del Estado. 1889.
  • La Mayoría del Congreso del Estado, al Pueblo Sonorense. Hermosillo, Sonora, Mexico: Imprenta de Roberto Bernal. 1878
  • La cuestion de la harina. Coleccion de articulos y documentos publicados en "El Telegrafo". México: Tip. de V. Villada. 1881.
  • Memoria de la administración pública del Estado de Sonora, presentada a la Legislatura del mismo por el Gobernador Ramón Corral. 2 vols. Guaymas, Sonora, México: Imprenta de E. Gaxiola. 1891
  • Memoria de la Secretaría de Gobernación : Que comprende de lo. de diciembre de 1904 a 30 de junio de 1906. México: Imprenta del Gobierno Federal. 1909
  • Obras históricas. Reseña histórica del Estado de Sonora, 1856-1877. Hermosillo, Sonora, México: Imprenta del Estado. 1900. Uma biografia de José María Leiva (Cajemé), o líder yaqui que Corral entrevistou pouco antes de Cajemé ser executado.

Referências

  1. The American Review of Reviews. Vol. 42, No. 6, December, 1910, (Albert Shaw, Ed.), pp.730-731
  2. O'Shaughnessy, Edith. (1920). Intimate pages of Mexican history. pp.101-102.
  3. Ramon Corral Dead from The New York Times, 1912
  4. "México entra em novo regime sob de la Barra." Los Angeles Times , 26 de maio de 1911
  5. El General Ignacio Pesqueira: reseña histórica del Estado de Sonora