Ramiro Sanches de Pamplona

Ramiro Sanches de Pamplona (em castelhano: Ramiro Sánchez de Pamplona; m. 1129),[a] foi membro da casa real de Pamplona, filho de Sancho Garcês—filho ilegítimo do rei Garcia Sanches III—e de Constança.

Ramiro Sanches de Pamplona
Senhor de Monzón, Uncastillo e Sangüesa
Cônjuges Cristina Rodrigues
Descendência Ver descendência
Nome completo Ramiro Sanches de Pamplona
Morte c. morte
  Navarra
Pai Sancho Garcês
Mãe Constança

Esboço biográficoEditar

Em 1090 confirmou a doação de Rodrigo Dias de Vivar O Cid, à Catedral de Valência e anos mais tarde, em 1101, otra doação da esposa do Cid, Jimena Dias à mesma catedral. Em maio de 1102, estava na comitiva que levou o corpo d'O Cid ao Mosteiro de São Pedro de Cardeña em Burgos para o seu enterramento.

Governou várias tenências: Monzón (1104–1116); Almuniente (1106); Boil (1108); e Erro entre 1122 e 1129.[1]

Matrimónio e descendênciaEditar

Casou cerca de 1098 com Cristina Rodrigues, filha de Rodrigo Diaz de Vivar "O Cid" e de Jimena Dias, filha de Diogo Fernandes de Oviedo e de uma dama provavelmente chamada Cristina com sobrenome Gundemares, de quem teve:

  • Garcia Ramires, rei de Pamplona (morto em 1150). Antes de se tornar rei, Garcia foi tenente de Monzón entre 1125 e 1126 e depois entre 1130 e 1134.[2]
  • Elvira Ramires (morta em 1164) casada com o conde Rodrigo Gomes, filio do conde Gomes Gonçalves.[2]
  • Sancho Ramírez de Navarra, senhor de Peñacerrada, Arellano e Puelles. Casou-se com Elvira Gómez de Salvatores e teve três filhos: Sancho Sánchez de Arellano, Pedro Sánchez de Pescina e Ramiro Sánchez.[3]

NotasEditar

[a] ^ Outros historiadores afirmam que morreu no ano 1116, no entanto, Ramiro aparece como o tenente de Erro entre 1122 e 1129, e provavelmente morreu pouco depois. Cfr. Montaner Frutos (2011), p. 56.

Referências

  1. Montaner Frutos 2011, p. 55–56.
  2. a b Montaner Frutos 2011, p. 56.
  3. Garcia Carraffa, Alberto y Arturo (1922). «Diccionario Heráldico y Genealógico de Apellidos Españoles y Americanos Tomo Sexto». Imprenta de Antonio Marzo, San Hermenegildo, 32 Litografía de Foruny. Consultado em 1922  line feed character character in |titulo= at position 73 (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

BibliografiaEditar