Rani ki kav

Rani ki vav é um poço de construção extremamente complexa, localizado na cidade de Patan em Gujarat, Índia.

Pix.gif Rani ki kav em Patan, Gujarat *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Rani ki vav 02.jpg
Rani ki kav
País  Índia
Tipo Cultural
Critérios i, iv
Referência 922
Região** Ásia
Coordenadas 23° 51' 32" N 72° 6' 36" E
Histórico de inscrição
Inscrição 2014  (38ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.
Rani Ki Vav, visto de cima

HistóriaEditar

Rani ki vav, ou Ran-ki vav (Poço da Rainha) foi construído durante a Dinastia Solanki.

Acredita-se que foi construído em memória de Bhimdev I (1022-1063), filho de Mularaja, o fundador da Dinastia Solanki de Anahilwada Patan, em cerca de 1050 pela sua rainha viúva Udayamati e provavelmente completado por Udayamati e Karandev I após sua morte. A uma referência à construção do monumento por Udayamati está na Prabandha Chintamani, composta pelo monge jainista Merunga Suri em 1304.

O poço foi depois inundado pelo Rio Saraswati e assoreado até a década de 1980. Quando foi escavado por arqueólogos indianos, os relevos estavam em ótimas condições, como novos.

ArquiteturaEditar

 
Escultura de Vishnu no Rani ki Vav
 
Pilares esculpidos

Este magnífico poço mede aproximadamente 64m de comprimento, 20m de largura e 27m de profundidade. É uma das maiores e mais suntuosas estruturas do tipo. Há um pequeno portão abaixo do último degrau, com um túnel de 30 quilômetros (bloqueado por pedras e lama), que leva à cidade de Sidhpur, perto de Patan. Foi usado como rota de fuga para o rei, que construiu o poço em uma época de guerra.

A maioria das esculturas são em devoção à Vishnu na forma dos avatares Kalki, Rama, Mahisasurmardini, Narsinh, Vaman, Varahi e outros representando o seu retorno ao mundo.

Por volta de 50, 60 anos atrás, havia plantas ayurvédicas nesta área e a água acumulada no Rani ki kav era considerada curativa para doenças virais, febre, etc.

Não era apenas um local para coleta da água e socializar, mas também um local de grande significado espiritual. Originalmente, os poços da região eram construções muito simples mas foram tornando-se cada vez mais intrincadas com os anos, talvez a fim de explicar o conceito antigo de santidade da água com a adição das deidades esculpidas em pedra.

UNESCOEditar

Rani ki kav foi incluído na lista de patrimônio Mundial da UNESCO por "ser um trabalho multicultural de arte e arquitetura"[1]

Referências

  1. «Rani ki kav na UNESCO». Consultado em 30 de janeiro de 2014 

BibliografiaEditar

  • Jutta Jain Neubauer: The Stepwells of Gujarat. An Art-historical Perspective. Abhinav Publications, 1981, ISBN 0-39102-284-9.
  • Morna Livingston, Milo Beach: Steps to Water. The Ancient Stepwells of India. Princeton Architectural Press, 2002, ISBN 1-56898-324-7.

Ligações externasEditar