Referendo constitucional na Bolívia em 2009

Bandeira boliviana

O referendo constitucional boliviano de 2009 ocorreu em 25 de janeiro e está relacionado à nova Constituição do país.

O projeto constitucional tem por objetivo aumentar os poderes da maioria indígena da Bolívia que se diz oprimida há séculos pelos muitos governos do país[1].

ResultadoEditar

A população boliviana aprovou a nova Constituição do país. Segundo a contagem calculada pelas principais emissoras da Bolívia, o sim venceu por 61,43%, em números divulgados pela rede Unitel, e por 58,3% segundo dados do canal ATB.

O presidente Evo Morales, afirmava que o projeto de seu governo seria aprovado por 70% dos votos. De modo que a nova Carta foi aprovada, o país realizará eleições presidenciais em dezembro, nas quais o atual Chefe de Estado boliviano poderá se candidatar para um novo mandato de cinco anos.[2]

Atuação da oposiçãoEditar

A nova Carta, porém, foi rejeitada expressivamente nos departamentos (estados) de Santa Cruz - o mais rico da Bolívia -, Tarija, Beni, Pando e Chuquisaca, onde a governadora Savina Cuéllar, indígena opositora a Morales, já convocou a população a ir contra a legislação do governo.[2]

Ver tambémEditar

Referências