Dʿmt

(Redirecionado de Reino de Dʿmt)
D'mt
ደዐመተ
c. 980 a.C. — c. 400 a.C. 
Blank.png
Africa in 400 BC.jpg
Região Tigré
Capital Yeha
Países atuais

Línguas oficiais Gueês
Religião Religiões tradicionais africanas

Mucarribe
•    Wʿrn Ḥywt
•    Ṣrʿn Lmn

Período histórico Idade do Ferro
• c. 980 a.C.  Fundação
• c. 400 a.C.  Dissolução

D'mt [1] ou Damot [2] (em musnad: Himjar dal.PNGHimjar ajin.PNGHimjar mim.PNGHimjar-ta2.svg; em gueês não vocalizado: ደዐመተ, transc.: DʿMT; teoricamente vocalizado como ዳዓማት, Daʿamat [3] ou ዳዕማት, Daʿəmat [4] ) foi um reino localizado entre a Eritreia e o norte da Etiópia (na Região de Tigré) que existiu durante os séculos X a V a.C. Poucas inscrições sobre ou sob este reino sobreviveram e muito pouco trabalho arqueológico ocorreu. Como resultado, não se sabe se D'mt desapareceu enquanto civilização antes do início dos primeiros estágios de Axum, ou se se tornou um dos primeiros estágios na evolução do Império de Axum, ou se foi ocupada e se transformou em um dos Estados menores unidos no Império de Axum, possivelmente em torno do início do século I.[5] [6]

HistóriaEditar

Dada a presença de um grande complexo de templos e um ambiente fértil, a capital de Dʿmt pode estar presente hoje em Yeha, na região de Tigré, na Etiópia. [7] Em Yeha, o templo do deus Almacá ainda está de pé. [8]

O reino desenvolveu esquemas de irrigação, usou arados, cultivou milho e fabricou ferramentas e armas de ferro. [9]

Alguns historiadores modernos, incluindo Stuart Munro-Hay, Rodolfo Fattovich, Ayele Bekerie, Cain Felder e Ephraim Isaac, consideram essa civilização nativa, embora influenciada pelos sabeus devido ao domínio destes últimos no Mar Vermelho, [10] enquanto outros como Joseph Michels, Henri de Contenson, Tekle-Tsadik Mekouria e Stanley Burstein viram Dʿmt como resultado de uma fusão entre a cultura de Sabá e a dos povos nativos [9] [11] Algumas fontes consideram a influência de Sabá menor, limitada a algumas localidades e desapareceu após algumas décadas ou um século, talvez representando uma colônia comercial ou militar em algum tipo de simbiose ou aliança militar com a civilização de Dʿmt ou algum outro Estado proto-Axumita. [12] [13] No entanto, outras fontes sustentam que D'mt, apesar de ter raízes indígenas, estava sob forte influência econômica e cultural da Arábia do Sul. [14]

Um estudo de 2013 propôs um modelo de migração envolvendo "Primeiro, um movimento em larga escala de pessoas do oeste da Eurásia para a Etiópia cerca de 3.000 anos atrás (talvez da Arábia do Sul e associado ao reino de D'mt e à chegada das línguas semíticas etiópicas) resultou no dispersão da ascendência da Eurásia ocidental no leste da África. " [15]

Após a queda de Dʿmt no século V a.C., o planalto passou a ser dominado por reinos sucessores desconhecidos menores. Isso durou até o surgimento de uma dessas instituições durante o primeiro século a.C., o Reino Axumita. [16]

NomeEditar

Devido à semelhança do nome, Dʿmt e Damot quando transcritos para caracteres latinos, esses dois reinos costumam ser confundidos, mas não há evidências de qualquer relação entre Dʿmt com o Reino de Damote, um reino medieval localizado bem mais ao sul (próximo a atual Arba Minch). [17] O Daʿamat (em árabe دعمت) é traduzido como 'suportado' ou 'em colunas' [18] e pode se referir às colunas e obeliscos (ou Hawulti) localizados em Matara [19] ou em Qohaito, [20] na Eritreia.

Soberanos conhecidosEditar

A seguir, é apresentada uma lista de quatro governantes conhecidos de Dʿmt, em ordem cronológica: [21]

Datas Nome Rainha Notas
Variam de c. 700 a.C. a c. 650 a.C.
Mkrb, Mlkn Rdʿm Smʿt
Mlkn Wʿrn Ḥywt ʿArky(t)n contemporâneo do rei sabeu Caribil Uatar (620 - 600 a.C.)
Mkrb, Mlkn Ṣrʿn Rbḥ Yrʿt Filho de Wʿrn Ḥywt, Rei Ṣrʿn da tribo YGʿḎ [=Agazi, cognato para gueês], mkrb de DʿMT e SB'
Mkrb, Mlkn Ṣrʿn Lmn ʿAdt Filho de Rbḥ, contemporâneo do rei sabeu Samaali Uatar, Rei Ṣrʿn da tribo YGʿḎ, mkrb de DʿMT e SB'

Ver tambémEditar

Referências

  1. Mekonnen, Yohannes (2013). Ethiopia:. the Land, Its People, History and Culture (em inglês). [S.l.]: Yohannes Mekonnen, p. 14. ISBN 978-1-4823-1117-4 
  2. Milkias, Paulos (2011). Ethiopia (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO, p. 38. ISBN 978-1-59884-257-9 
  3. Fahd, Toufic (1989). L'Arabie préislamique et son environnement historique et culturel:. actes du Colloque de Strasbourg, 24-27 juin 1987 (em francês). [S.l.]: Brill Archive, p. 264. ISBN 978-90-04-09115-3 
  4. Uhlig, Siegbert; Yimam, Baye (2003). Encyclopaedia Aethiopica: A-C (em inglês). [S.l.]: Isd, p. 174. ISBN 978-3-447-04746-3 
  5. BEAVERS, MERRELL. MANIFESTO TO AMERICA (em inglês). [S.l.]: Lulu, p. 154. ISBN 978-1-387-12292-9 
  6. Hatke, George (2013). Aksum and Nubia:. Warfare, Commerce, and Political Fictions in Ancient Northeast Africa (em inglês). [S.l.]: NYU Press, p. 17 nota: 23. ISBN 978-0-8147-6283-7 
  7. Shaw, Thurstan; Andah, Bassey; Okpoko, Alex; Sinclair, Paul (1993). The Archaeology of Africa:. Food, Metals and Towns (em inglês). [S.l.]: Psychology Press, p. 612. ISBN 978-0-415-11585-8 
  8. Appiah, Anthony; Gates, Henry Louis (2010). Encyclopedia of Africa (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press, p. 428. ISBN 978-0-19-533770-9 
  9. a b Mekonnen (2013). Ethiopia:. [S.l.]: , p. 16 
  10. Munro-Hay, Stuart C. (1991). Aksum:. An African Civilisation of Late Antiquity (em inglês). [S.l.]: Edinburgh University Press, pp. 39-40. ISBN 978-0-7486-0106-6 
  11. Johnson, Scott Fitzgerald (201). The Oxford Handbook of Late Antiquity (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press, p. 256. ISBN 978-0-19-027753-6 
  12. Mekonnen (2013). Ethiopia. [S.l.]: , p. 23 
  13. Phillipson, David W. (1 de dezembro de 2009). «The First Millennium bc in the Highlands of Northern Ethiopia and South–Central Eritrea: A Reassessment of Cultural and Political Development». African Archaeological Review (em inglês). 26 (4): 257–274. ISSN 1572-9842. doi:10.1007/s10437-009-9064-2 
  14. D'Andrea, A. Catherine; Manzo, Andrea; Harrower, Michael J.; Hawkins, Alicia L. (1 de janeiro de 2008). «The Pre-Aksumite and Aksumite Settlement of NE Tigrai, Ethiopia». Journal of Field Archaeology. 33 (2): 151–176. ISSN 0093-4690. doi:10.1179/009346908791071268 
  15. Pickrell, Joseph K.; Patterson, Nick; Loh, Po-Ru; Lipson, Mark; Berger, Bonnie; Stoneking, Mark; Pakendorf, Brigitte; Reich, David (2014). «Ancient west Eurasian ancestry in southern and eastern Africa». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 111 (7): 2632–2637. ISSN 0027-8424. PMID 24550290. doi:10.1073/pnas.1313787111 
  16. Richard Pankhurst (2006). «Ethiopia's Historic Ties with Yemen». Let's Look Across the Red Sea, I. Consultado em 2 de março de 2020 
  17. Shinn, David H.; Ofcansky, Thomas P. (2013). Historical Dictionary of Ethiopia (em inglês). [S.l.]: Scarecrow Press, p. 111. ISBN 978-0-8108-7457-2 
  18. «دعم [daʿama] conjugation». Cooljugator (em inglês). Consultado em 9 de março de 2020 
  19. «Historical site of Matara». Ministry of Information of Eritrea. Consultado em 9 de março de 2020 
  20. «QOHAITO». Ministry of Information of Eritrea. Consultado em 9 de março de 2020 
  21. Fabienne Dugast, Iwona Gajda (2005) Reconsidering contacts between southern Arabia and the highlands of Tigrai in the 1st millennium BC according to epigraphic data, p. 9 : 18th International Conference of Ethiopian Studies