Abrir menu principal

Renato Cozzolino Harb (Magé, 21 de fevereiro de 1991) é um administrador e político brasileiro, deputado estadual pelo estado do Rio de Janeiro.[1]

Carreira políticaEditar

Foi eleito para seu primeiro mandato como deputado estadual do Rio de Janeiro em 2014, com 26.697 votos pelo Partido da República, para a legislatura 2015–2019.[2][3]

Logo após a sua posse foi eleito, por seus Pares, para compor, na qualidade de membro, a Mesa Diretora da Alerj,[4] com mandato até o dia 31 de janeiro de 2017.[carece de fontes?]

Em abril de 2015, em polêmica votação, foi um dos parlamentares a votar a favor da nomeação de Domingos Brazão para o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, nomeação esta muito criticada na época.[5] No dia 20 de fevereiro de 2017, foi um dos 41 deputados estaduais a votar a favor da privatização da CEDAE.[6]

Em 17 de novembro de 2017, votou pela revogação da prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, denunciados na Operação Cadeia Velha, acusados de integrar esquema criminoso que contava com a participação de agentes públicos dos poderes Executivo e do Legislativo, inclusive do Tribunal de Contas, e de grandes empresários da construção civil e do setor de transporte.[7]

Foi reeleito em 2018, com 33.597 votos pelo Partido Republicano Progressista, para a legislatura 2015–2023.[8]

Em dezembro de 2018, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE/RJ) denunciou Renato Cozzolino por abuso de poder político e econômico e por conduta vedada na campanha de 2018. Na ação, o Ministério Público Eleitoral argumenta que Cozzolino, o sobrinho de Núbia — a ex-prefeita de Magé acusada de fraudar documentos oficiais — tentou vincular sua imagem à manutenção de serviços como exames de vista, doação de óculos, atendimento odontológico e emissão de documentos. Porém, as obras sociais são de responsabilidade de órgãos estaduais.[9][10]

O procurador regional eleitoral Sidney Madruga também acusa o deputado reeleito de se beneficiar de propaganda irregular, com ônibus e carros com adesivos do políticos circulando em seu reduto eleitoral.[9][10]

Além da cassação e da inelegibilidade do deputado, a procuradoria quer que ele pague uma multa de até cem mil UFIR (cerca de R$ 330 mil).[9][10]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Renato Cozzolino». ALERJ. Consultado em 8 de outubro de 2015 
  2. «Renato Cozzolino 22888». Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  3. «Renato Cozzolino - Divulgação do Resultado das Eleições 2014». Consultado em 6 de outubro de 2015 
  4. «Alerj - Deputado». www.alerj.rj.gov.br. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  5. Pedro Zuazo (29 de abril de 2015). «Conselheiro vapt-vupt: veja quem votou em Brazão para o TCE». Jornal Extra. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  6. G1 (20 de fevereiro de 2017). «Saiba como votou cada deputado sobre a privatização da Cedae e veja opiniões». Consultado em 15 de outubro de 2017 
  7. G1 (17 de novembro de 2017). «ALERJ revoga prisões de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi». Consultado em 17 de novembro de 2017 
  8. «Renato Cozzolino 44789 (PRP) Deputado Estadual». Gazeta do Povo. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  9. a b c «Renato Cozzolino é acusado de de poder político e econômico». BandNews FM Rio. 7 de dezembro de 2018. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  10. a b c «MP Eleitoral pede cassação de Renato Cozzolino, sobrinho de Núbia». Extra Online. 7 de dezembro de 2018. Consultado em 24 de dezembro de 2018