Abrir menu principal

SinopseEditar

Ficha técnicaEditar

Enquadramento históricoEditar

Kramer está intimamente ligado à produtora Newreels, que cultivava o género de actualidades em lugares com sinais de mudança para uma ordem socialista, uma certa tendência da época. Empenha-se no cinema militante usando-o para fazer face à manipulação dos media dominantes, na perspectiva de Dziga Vertov

A obra, pelo seu propósito interventivo, enquadra-se na categoria de cinema militante, prática recorrente dos Kinoki portugueses da geração dos anos setenta. Em curtas, médias e longas-metragens, explorando os métodos do cinema directo, ocupando o seu espaço entre as obras pioneiras do novo cinema, o género prolifera no terreno fértil de Portugal, na segunda metade da década.

Artigos relacionadosEditar

FontesEditar

  • Catálogo da Mostra de Cinema de Intervenção – Portugal 76 (de 1 a 9 de Maio, Estoril, Pavilhão dos Congressos), ed. do Centro de Intervenção Cultural, 1976.

FestivaisEditar

  • Mostra de Cinema de Intervenção – Portugal 76 - Estoril

Veja tambémEditar


  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.