Abrir menu principal


Ricardo Ferraz
Ricardo da Costa Ferraz
Informações pessoais
Nome completo Ricardo da Costa Ferraz
Apelido "Senhor Boxe" ou o "Zé das Toalhas"
Data de nascimento 16 de janeiro de 1926
Local de nascimento Lisboa, Portugal
Data de morte 19 de janeiro de 2006 (80 anos)
Local de morte Lisboa, Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal portuguesa
Modalidade Boxe e Futebol
Anos Posição
19631989 Treinador
-- Coordenador Técnico
-- Diretor Técnico Nacional
-- Presidente do Conselho Técnico
editar

Ricardo da Costa Ferraz (Lisboa, 16 de janeiro de 1926Lisboa, 19 de janeiro de 2006) foi um treinador de boxe e de futebol português. Também foi conhecido como "Senhor Boxe" ou o "Zé das Toalhas". Embora tendo treinado também equipas de futebol, foi no boxe português que se tornou uma figura de referência, como atleta, técnico e dirigente desta modalidade desportiva.[1]

BiografiaEditar

Nasceu na cidade de Lisboa na freguesia do Beato no ano de 1926, quando jovem, Ferraz, estava dividido entre a prática do boxe e de futebol, daí, para além de iniciar a sua vida como pugilista em 1946, no Clube Águias do Alto Pina,[2] também foi futebolista tendo passado por vários clubes e acabado o seu percurso no Vitória Clube de Lisboa. Foi então no boxe que começou a se distinguir principalmente como formador. Enquanto cumpria o serviço militar na marinha, como fuzileiro, aproveitava para treinar os colegas, surgindo assim a sua grande paixão como técnico da modalidade.[3]

Anos mais tarde, iniciou como treinador de boxe a sua carreira no Vitória Clube de Lisboa, onde obteve o primeiro prémio internacional deste Clube.

A partir de 1961, com o advento da criação da modalidade no Sporting Clube de Portugal, Ricardo Ferraz ingressa como treinador e coordenador da secção de boxe deste Clube. Exerce ainda como treinador na Federação Portuguesa de Boxe (1968 a 1983), onde conquistou duas medalhas de ouro e de prata e quatro de bronze no Boxame.

A partir de 1971, para além das responsabilidades anteriormente referidas, Ricardo Ferraz, já nesta altura, uma figura central do boxe nacional, fica como responsável pelo treino da modalidade na Academia Militar e ainda como treinador da sua equipa de futebol. Como treinador durante tanto tempo e detentor de uma grande humanidade e responsabilidade cívica, não se centrava apenas na vertente desportiva, mas também no lado social, levando para o pugilismo muitos jovens, retirando-os da rua, criando-lhe um objetivo de vida, ensinando-os a serem disciplinados e formando-os quer como atletas, quer como pessoas.

Fez uma carreira brilhante no Sporting Clube de Portugal, como treinador cargo que ocupou durante vinte e oito anos, venceu diversos títulos, nomeadamente, catorze campeonatos nacionais, dezoito regionais e vários títulos internacionais, foi treinador de grandes nomes, do pugilismo, como: João Manuel Miguel, Fernando Tavares, Manuel Antunes e Vítor Carvalho.

João Manuel Miguel, mais conhecido como “Paquito”, foi um dos pugilistas mais aplicados de Ricardo Ferraz e sob a sua orientação técnica foi quem conseguiu o feito de estar nos Jogos Olímpicos de Moscovo em 1980, em representação de Portugal.[1] Na sua participação olímpica conseguiu chegar aos oitavos de final, em vinte e dois participantes.[4] Curiosamente, João Miguel seguiu as pisadas do mestre exercendo como técnico em Alvalade.

Depois de ter terminado a atividade de treinador, Ricardo Ferraz passou a desempenhar as funções de coordenador técnico da secção de Boxe do Sporting. Foi ainda Diretor Técnico Nacional e Presidente do Conselho Técnico.

Foi-lhe concedida a distinção de Sócio de Mérito da Associação de Boxe de Lisboa, (da qual chegou a ser presidente) da Associação de Futebol de Lisboa e do Vitória Clube de Lisboa. Durante a sua longa carreira recebeu vários louvores, outorgados pelo Comandante da Academia Militar, tendo sido condecorado com a Medalha de D. Afonso Henriques, Patrono do Exército.

O Sporting homenageou-o com o prémio Stromp por duas vezes e ainda o prémio Rugidos de Leão fazia parte da Comissão de Honra do Centenário do Clube.

Faleceu no dia 12 de janeiro de 2006, com oitenta anos de idade, demarcando o fim de uma era na modalidade, tanto ao nível dos clubes e instituições onde serviu, como do próprio pugilismo nacional. O Sporting honrou a velha glória decretando três dias de luto, para além de a sua bandeira ter estado a meia-haste.[1]

A Academia Militar dedicou-lhe no seu portal uma notícia sobre o seu falecimento assinalando a importância e a excelência da sua contribuição profissional para o treino físico dos seus alunos.[5]

A Câmara Municipal de Lisboa, reunida a 24 de janeiro de 2006, decretou um Voto de Pesar em sua homenagem, aprovado por unanimidade. A Assembleia aguardou um minuto de silêncio e deliberou a atribuição do seu nome a uma rua da cidade, sugerindo que fosse na freguesia do Beato, tendo em conta o seu nascimento, a sua residência e o local onde era uma referência para muita gente.[6]

Referências

  1. a b c «Ricardo Ferraz». Wiki Sporting. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  2. «Sporting Clube de Portugal - Ricardo Ferraz Boxe». Portal do SCP. Consultado em 19 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 7 de outubro de 2014 
  3. «O "Senhor Boxe"». Jornal Record. Consultado em 19 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2015 
  4. «XXII Olimpíada – Moscovo 1980». Comité Olímpico de Portugal. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  5. «Faleceu o Mestre Ricardo Ferraz». Academia Militar. Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2015 
  6. «2º Suplemento Boletim Municipal Nº 623». Câmara Municipal de Lisboa. 26 de janeiro de 2006. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 [ligação inativa]

Ligações ExternasEditar