Rio Drá

Drá
Asif en Dra • ⴰⵙⵉⴼ ⵏ ⴷⵔⴰ • واد درعة
O rio Drá na regiao entre Zagora e L
Mapa
Comprimento 1 100 km
Nascente Alto Atlas
Foz oceano Atlântico, 27 km a norte de Tan-Tan
Área da bacia 29 500 km²
Afluentes
principais
Dadès
Países MarrocosArgélia
Coordenadas da foz 28° 40' 56" N 11° 4' 17" O

O rio Drá (em árabe: درعَا; romaniz.: drā; em berbere: Asif en Dra; romaniz.: ⴰⵙⵉⴼ ⴻⵏ ⴷⵔⴰ; em árabe marroquino: واد درعة; romaniz.: wad dərʿa), também escrito Draa, Dra ou Drâa, em fontes mais antigas Darha ou Dara, é o rio mais longo de Marrocos, com 1 100 km de comprimento, definindo parte da fronteira entre Argélia e Marrocos. Formado pela confluência dos rios Dadès e Imini, corre do Alto Atlas na direção sudeste até Tagunite e, a partir dali, rumo ao oeste até desaguar no oceano Atlântico, na altura do cabo Drá, próximo a Tan-Tan. Na maior parte do ano, a porção do Drá a jusante de Tagunite é seca. Sua água é usada para irrigar palmeirais e pequenas áreas de horticultura.

Com 23 000 km², o vale do Drá possui uma população de 225 000 habitantes e corresponde à província marroquina de Zagora, criada em 1997 na região de Souss-Massa-Drá.

Na primeira metade do século XX parte do seu curso marcava a fronteira entre o Protetorado Francês em Marrocos e a zona meridional do Protetorado Espanhol. Hoje parte do seu curso superior define a fronteira Argélia-Marrocos.

O rio abre passagem entre os montes Saghro e Siroua, no maciço do Anti-Atlas, escavando o desfiladeiro de Jenegue Tagia. Após isso, banha a cidade de Agdz, onde começa o vale do Drá propriamente dito. Durante os 200 km seguintes converte-se numa espécie de série de oásis, cheio de palmeirais e hortas, contrastando fortemente com as secas montanhas avermelhadas circundantes. O vale é dominado por alcáceres (ksur ou ksar - castelo, fortaleza) construídos em adobe. Destacam-se Zagora e M'hamid, a chamada porta do deserto situada no final do vale. Também Tamenougalt, antiga capital dos amazigues (berberes), os primeiros povoadores de Marrocos. Entre 100 000 e 200 000 pessoas vivem hoje no vale, dedicadas fundamentalmente à agricultura.

O Drá é um curso de água singular: no século X era o mais longo rio de Marrocos, percorrendo um caminho do Alto Atlas para sul pelo que hoje é a fronteira entre Argélia e Marrocos em cerca de 390 km, para depois infletir para oeste, durante centenas de quilómetros, e desaguar no Atlântico. Porém, em mil anos as condições climáticas alteraram-se fortemente, de modo que hoje as suas águas infiltram-se nas areias do deserto depois de M'hamid e seguem o curso de forma subterrânea, dirigindo-se em mais de 600 quilómetros até ao oceano. Hoje em dia, só em anos de chuva excecional é que o Drá regressa ao seu antigo leito.

No vale são cultivadas predominantemente palmeiras, produtoras de tâmaras, mas também cereais, legumes, hena e diversas espécies de árvores de fruto como tamarindos, além de loureiros e acácias.[desambiguação necessária]

O seu curso médio e a sua foz são considerados sítios Ramsar.[1][2]

Referências

  1. «Embouchure de l'oued Dr'a». Ramsar Sites Information Service. Consultado em 25 de abril de 2018 
  2. «Moyenne Dr'a». Ramsar Sites Information Service. Consultado em 25 April 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  Este artigo sobre Geografia de Marrocos, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre hidrografia em geral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.