Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para o município capixaba, veja Pancas.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio Pancas
uma ilustração licenciada gratuita seria bem-vinda
Localização
País
Altitude
140 mVisualizar e editar dados no Wikidata
Coordenadas
Dimensões
Comprimento
116 km
Hidrografia
Tipo
Área da bacia
1182 km²
Nascente
Serra Alto do Pancas
Altitude da nascente
760 m
Foz
Altitude da foz
70 m

O rio Pancas é um curso de água do estado do Espírito Santo, Brasil. É um afluente da margem esquerda do rio Doce.

O rio Pancas apresenta 116 km de extensão e drena uma área de 1182 km².[1] Sua nascente está localizada no município de Pancas a uma altitude de 760 metros na serra Alto do Pancas, junto à divisa com o estado de Minas Gerais.[2] Sua foz no rio Doce localiza-se no município de Colatina. O trecho do rio Pancas entre a foz do córrego Palestina e a foz do córrego Roda d'Água serve de limite entre os municípios de Pancas e Colatina.[2]

O nome do rio Pancas foi concebido por Dom Rodrigo de Souza Coutinho, Conde de Linhares e Senhor de Pancas em Portugal, primeiro conde de Linhares do título moderno, (Chaves, 4 de agosto de 1745 — Rio de Janeiro, 26 de janeiro de 1812) foi um diplomata e político português.[3]

No ano de 1800, tomava posse como Governador da Capitania do Espírito Santo o senhor Antônio Pires da Silva Pontes. Amigo e protegido do Conde de Linhares, vinha, sob sua recomendação, com o firme propósito de abrir um caminho fluvial pelo rio Doce até Minas Gerais, iniciar a povoação de suas margens e criar destacamentos militares para proteger estas finalidades. O Corpo de Pedestres, com 300 soldados, foi criado ainda em 1800, e neste ano o Governador subiu pessoalmente o rio, fazendo um estudo, da foz à cachoeira das Escadinhas [4].

Estabeleceram-se então quartéis militares: a) na barra do rio, o de Regência Augusta, em homenagem a D. João, Príncipe Regente, mais tarde D. João VI; b) mais acima, à margem esquerda do rio, numa barranca em forma de meia lua, onde outrora os índios botocudos abriram uma clareira para dançarem e celebrarem suas festas, fundou um quartel ao qual deu o nome de Coutins; e ainda a Pancas e Porto do Souza, sendo estes três últimos nomeados em homenagem a D. Rodrigo de Souza Coutinho; d) fundou também outros dois: Lorena e Anádia.[4]

Em 1809, sobre os escombros do antigo Quartel Coutins, foi fundado Tovar uma povoação a que deu o nome de Linhares, em homenagem novamente a D. Rodrigo de Souza Coutinho, que, nessa época, fora agraciado com o título de Conde de Linhares.[4][5]

A criação do quartel militar de Pancas foi próximo à foz do rio Pancas e assim nomeou também o rio, o qual alegava-se parecer com a região portuguesa da Quinta de Pancas, por comparação das ilhas existentes dentro do curso hídrico assim como pode ser observado nas figuras 01 e 02.[necessário esclarecer]

Em 1883, o então governador da província do Espírito Santo Manuela José Pires da Silva Pontes, irmão de Antônio Pires da Silva Pontes, concluiu a carta do rio Doce e, no decorrer de suas descrições, ele sita o já nomeado rio Pancas na página 143: “Continuando a subir o rio, vê-se, na margem do sul, um choro d’água, que parte de uma lagoa, e avançando mais nota-se na margem norte, e em um ângulo encoberto por uma pequena ilha, a barra do medíocre rio Pancas.”[4]

Ressaltando que neste momento não existia sequer uma trilha ao atual município de Pancas, somente havia sido nomeado o rio Pancas, o qual depois concebeu o nome a cidade e município de Pancas. A primeira demarcação de lotes onde seria a atual Colatina foi realizada em 1857 e em Pancas em 1918, recebendo seu primeiro nome “Nossa Senhora da Penha” que foi instalado em 15 de janeiro de 1930 e criado pela lei 1486 de 5 de setembro de 1924 com sede no atual distrito de Vila Verde, e transferido para a atual cidade de Pancas pela lei 1554, de 30 de junho de 1926. Santa Luzia foi seu segundo nome, depois Vila Pancas e veio a receber seu devido nome Pancas apenas em 13 de maio de 1963.

Em Portugal, além da Quinta de Pancas, existem o monte de Pancas, Pancas e Salinas de Vasa-Saco (Estuário de Tejo) e a Reserva Integral do Pancas sendo por coincidência, Pancas de Portugal também possui uma unidade de conservação ambiental, assim como o Pancas do Espírito Santo.

Referências

  1. «Região Hidrográfica do Rio São José». Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA). Consultado em 23 de agosto de 2011. Arquivado do original em 19 de agosto de 2011 
  2. a b «Carta do Brasil SE-24-Y-C-III São Gabriel da Palha» (JPG). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 23 de agosto de 2011 
  3. [1]
  4. a b c d ZUNTI, MARIA LÚCIA GROSSI (1982). Panorama Histórico de Linhares. Linhares - ES: Prefeitura de Linhares - ES. pp. 141 e 142  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  5. Grossi Zunti, Maria Lúcia. Panorama Histórico de Linhares, 1982. Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012
  Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.