Rio das Antas (Paraná)

rio de Paraná
Rio das Antas
Nascente Telêmaco Borba
Foz Rio Tibaji
País(es) Brasil

O rio das Antas é um curso de água que banha o estado do Paraná.[1] É denominado também de ribeirão das Antas e está localizado no segundo planalto paranaense, entre os municípios de Curiúva e Telêmaco Borba.[2][3][4]

O rio de 57 quilômetros de extensão, tem uma área de drenagem de 690 km², com declividade média de 7,42 m/km. Nasce na região dos Campos Gerais, no município de Telêmaco Borba, na Fazenda Monte Alegre e posteriormente deságua no rio Tibagi, próximo da Usina Hidrelétrica Presidente Vargas.[5][6][7] No curso do rio, próximo da localidade de Barra das Antas, está localizado o Salto das Antas, queda d'água na divisa de Telêmaco Borba com Curiúva.[5][6][7]

Na região do referido rio há várias nascentes que contribuem para a formação da bacia hidrográfica, possuindo uma vegetação em áreas de preservação permanente bem preservadas, com predomínio de reflorestamento de pinus e eucalipto, em seu entorno.[5] Os principais afluentes da margem direita da bacia são: arroio Barreirinha; ribeirão Curiúva; ribeirão Guajuvira; ribeirão Água Grande; córrego Felisberto.[5] Já os afluentes da margem esquerda são: rio Anta Brava; córrego da Vila; ribeirão Invernadinha; ribeirão Esquecido; arroio Esquecido; ribeirão Sossegadinho; ribeirão Pinheiro Seco.[5]

A cobertura vegetal existente na bacia das Antas pode ser caracterizada como um mosaico de diferentes usos e ocupação do solo, com destaque para a silvicultura na margem esquerda e agricultura e pecuária na margem direita.[5] Apresenta pastagens artificiais e campos naturais, reflorestamento e uma grande área classificada como mista. Há espécies florestais de grande porte nas margens do rio, como a peroba-rosa e o pinheiro-do-paraná.[5]

Referências

  1. Márcia Zamariano (2006). «Toponímia Paranaense do período histórico de 1648 a 1853» (PDF). Livros grátis; UEL. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  2. «Plano Diretor de desenvolvimento de Telêmaco Borba» (PDF). 2005. Consultado em 3 de outubro de 2019. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  3. «Localização». Consórcio Energético Cruzeiro do Sul. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  4. Institutos Lactec (2014). «Plano ambiental de conservação e uso do entorno de reservatório artificial - PACUERA - Usina Hidrelétrica Mauá» (PDF). Consórcio Energético Cruzeiro do Sul. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  5. a b c d e f g «RAS - Relatório Ambiental Simplificado - Central Geradora Hidrelétrica Curiúva I» (PDF). Hidro Curiúva Geração de Energia. Fevereiro de 2016. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  6. a b Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. «Bacias Hidrográficas do Paraná» (PDF). Governo do Estado do Paraná. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  7. a b Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (2009). «Bacia Hidrográfica do Rio Tibagi» (PDF). Governo do Estado do Paraná. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.