Abrir menu principal

Romão de Antioquia

(Redirecionado de São Romão)
Disambig grey.svg Nota: "'São Romão'" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja São Romão (desambiguação).
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2015). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
São Romão de Antioquia
Tela de Francisco de Zurbarán que representa São Romão de Antioquia com a língua na mão e o menino Várulas a seu lado
Morte 303 em Antioquia
Veneração por Igreja Católica, Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 18 de novembro
Gloriole.svg Portal dos Santos

São Romão de Antioquia ou São Romão de Cesareia foi um diácono e mártir cristão da Síria que sofreu o martírio em 303, durante as perseguições contra os cristãos do imperador Galério.

Segundo a narrativa de Aurélio Prudêncio, durante as torturas que padeceu nas mãos de Asclepíades, que tinha tentado arrasar a sua igreja na Síria, foi-lhe cortada a língua para que não continuasse a exortar à conversão dos pagãos. A tradição cristã atribui o facto milagroso a São Romão de ter continuado a falar sem língua. Um menino que o presenciava, chamado Várula (ou Várulas), pôs-se a proclamar a divindade de Cristo, o que fez com que fosse igualmente torturado e decapitado frente à sua própria mãe.

O processo do martírio do santo é conhecido em pormenor graças a um longo hino de Aurélio Prudêncio, com quase mil versos compostos em fins do século IV. Outros historiadores eclesiásticos relataram o martírio depois. O milagre de ter conseguido falar já depois de amputada a língua foi um lugar comum do martirológico cristão e até anterior, já que a língua era considerada como instrumento ideal para louvar a divindade.

IconografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Romão de Antioquia

Não há muitas imagens de São Romão na iconografia cristã. A mais conhecida é a de Francisco de Zurbarán em 1638 para a igreja de São Romão de Sevilha (Espanha).