Abrir menu principal

Sínodo de Constantinopla (1082)

Selo de Isaac como protoproedro e doméstico das escolas do Oriente na década de 1070
Histameno de eletro dos primeiros anos do reinado do imperador Aleixo I Comneno (r. 1081–1118)

O Sínodo de Constantinopla de 1082 foi um sínodo convocado pelo imperador Aleixo I Comneno (r. 1081–1118) para discutir o uso de bens da Igreja para pagamento de despesas militares nas guerras bizantino-normandas. Antes desse encontro, Isaac, irmão do imperador, deu-lhe dinheiro das propriedades da Igreja para sua campanha contra Roberto Guiscardo, que naquele momento estava atacando os domínios bizantinos e preparava-se para invadir os Bálcãs. Dentre os objetos cooptados havia prata e ouro das portas da Igreja de Maria de Calcoprateia, em Constantinopla.[1]

O sínodo foi convocado pelo imperador e realizado em Santa Sofia. Isaac, decidido que a única forma de pagar as campanhas do irmão seria através dos tesouros da Igreja, propôs o plano em um discurso diante dos presentes, alegando que apenas objetos que não estivessem em uso seriam vendidos. Seu discurso convenceu os presentes e foi autorizado a utilizar os bens da Igreja, contudo foi contestado e ridicularizado pelo clérigo João Metaxas.[1]

Tal resultado incitou Leão da Calcedônia a enviar carta a Aleixo exigindo a deposição de Eustrácio (1081–1084) e sua substituição por Cosme I (1076–1081), que fora deposto no ano anterior, bem como instando uma investigação formal na qual se investigaria os brévios dos fundadores dos mosteiros para saber quais bens deveriam ser restituídos.[2] Essa oposição, apoiada pelos calcedônios, obrigou Aleixo a realizar concessões. Em 5 de agosto de 1082, emitiu uma bula dourada na qual ordenou a restituição a ser feita de todos os objetos sagrados já empregados pelo Estado, e declarou ser sacrilégio qualquer um no futuro usar tesouros da Igreja para usos seculares.[3][1] Esse ato se assemelha muito com a apropriação de bens da Igreja e posterior promessa de devolução feita pelo imperador Heráclio (r. 610–641) quando de sua guerra contra o Império Sassânida.[2]

Referências

  1. a b c «Leon, metropolitan of Chalcedon [1082, 1084, (...) , 1094] M / L XI» (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2014 
  2. a b Thomas 1987, p. 195.
  3. Finlay 1854, p. 63.

BibliografiaEditar

  • Finlay, George (1854). History of the Byzantine and Greek Empires from 1057–1453. 2. Edimburgo: William Blackwood & Sons 
  • Thomas, John Philip (1987). Private Religious Foundations in the Byzantine Empire. Washington, D.C.: Dumbarton Oaks. ISBN 0884021645